Polícia Civil do Paraná identifica autor de ameaças de morte a diretores da Anvisa

O homem que enviou ameaças de morte a diretores da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), na semana passada,..

Redação - 05 de novembro de 2021, 14:50

Fachada do edifício sede da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Marcelo Camargo/Agência Brasil
Fachada do edifício sede da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Marcelo Camargo/Agência Brasil

O homem que enviou ameaças de morte a diretores da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), na semana passada, foi identificado e intimado pela Polícia Civil do Paraná. Em depoimento, nesta quinta-feira (4), ele disse estar arrependido do ato.

As ameaças foram enviadas por e-mail a diretores da Agência, entre eles o diretor-presidente Antônio Barra Torres. A intimidação ocorreu no bojo da possível aprovação do uso emergencial de vacinas contra a covid-19 em crianças de cinco a 11 anos de idade.

A mensagem foi enviada eletronicamente na sexta-feira da semana passada, dia 29 de outubro. Diante do crime, a Anvisa comunicou as autoridades competentes para que o autor das agressões fosse identificado.

+ LEIA TAMBÉM: Anvisa pede proteção policial e vê 'ameaças ao estado brasileiro'

A identidade do homem e o teor das mensagens foram mantidos em sigilo. Em nota ao Paraná Portal, a Polícia Civil do Paraná confirmou que o caso está em apuração.

A polícia informou que as investigações sobre o caso prosseguem. Além das ameaças de morte endereçadas aos diretores da Anvisa, o homem também direcionou as intimidações às secretarias estaduais de Saúde e Educação do Paraná.

Motivado por informações falsas e teorias conspiratórias, o homem teria ameaçado retirar o filho da escola caso a criança fosse obrigada a receber o imunizante. De forma equivocada, ele se refere à vacina como "experimental".

Além da Polícia Civil do Paraná, responsável pela identificação do homem que fez a primeira ameaça, a Polícia Federal também foi acionada. Segundo a Anvisa, são três ameaças relacionadas a uma eventual aprovação de vacinas contra a covid-19 para crianças.