Polícia Civil investiga retorno de menina sequestrada há 17 anos no Paraná

Redação

PCPR - caso Luana - Florestópolis

Há cerca de 17 anos, Luana de Oliveira Lopes foi sequestrada em sua residência em Florestópolis, região norte do Paraná. Mas a PCPR (Polícia Civil do Paraná) afirmou nesta terça-feira (10), que uma jovem com a mesma idade e características físicas semelhantes retornou ao município no último final de semana e por isso está investigando se a mulher é Luana.

“Ela foi criada no Rio de Janeiro e não lembra dos detalhes do início de sua vida, apenas a partir dos dez anos começou a desconfiar da forma que era tratada por sua família. Além disso, uma tia no leito de morte disse a ela que não era daquela família, o que levou a jovem a acreditar que havia sofrido algum tipo de crime”, explicou a delegada responsável pelas investigações, Patrícia Paz.

Após desconfiar de sua origem, a jovem procurou na internet uma possível história que a auxiliasse. Foi então que ao ler as notícias sobre o caso Luana, constatou que tinha a mesma idade e fisicamente era semelhante à menina, buscando contato pelas redes sociais com os parentes da garota.

“A medida a ser realizada agora é o exame de DNA junto aos familiares de Luana, que ainda residem no mesmo local. Ainda não há data estipulada para o resultado, mas vamos tentar agilizar o prazo normal de 30 dias por conta das peculiaridades e gravidade do caso”, continuou Paz.

Além do exame de DNA, também será realizado uma perícia prosopográfica de forma complementar. Nesse exame, será comparado uma foto da orelha de Luana na época do sequestro com uma foto da orelha da jovem que chegou em Florestópolis.

Luana tinha oito anos na época em que foi sequestrada junto de seu irmão mais velho, que tinha dez anos na ocasião. Após sofrer diversas agressões, o menino foi abandonado em um matagal na beira de uma estrada da região. Mas a menina seguiu desparecida e sem qualquer notícia desde então.

Previous ArticleNext Article