Polícia cumpre mandados contra fraudes em RGs em três cidades do PR

Redação

Atualizado às 12 horas

A Polícia Civil do Paraná cumpre, nesta terça-feira (2), mandados contra uma organização criminosa que fraudava carteiras de identidade para foragidos. A Operação foi batizada de Vucetich. Foram cumpridos simultaneamente quatro mandados de busca e apreensão e cinco mandados de prisão em Maringá, Sarandi e Rancho Alegre D’Oeste, no interior do Paraná.

De acordo com a Polícia Civil, um dos alvos da operação é funcionário da prefeitura do município de Rancho Alegre D’Oeste, de 48 anos, suspeito de executar a fraude. O homem prevalecia-se do fato de trabalhar no atendimento do posto para confecção de carteiras de identidade e inseria dados falsos no sistema para contribuir com criminosos. De acordo com as investigações, o posto de atendimento em que o funcionário municipal trabalhava teria confeccionado cerca de 160 Carteiras de Identidades falsas.

“Apesar das carteiras de identidades estarem sendo expedidas pelo Instituto de Identificação, os dados que eram inseridos nos documentos eram provenientes de documentos falsos”, explica o delegado Alan Flore.

Um dos criminosos beneficiados pelo esquema é Marcelo Fernando Pinheiro Veiga, conhecido como Marcelo Piloto, que seria um dos maiores traficantes do país e o segundo na hierarquia da facção criminosa Comando Vermelho, organização criminosa comandada por Fernandinho Beira-Mar.


Outro alvo da ação é um contador do município de Maringá, de 43 anos, que já conta com diversas passagens policiais por crimes de estelionato. Ele e outras três mulheres, de 25, 34 e 43 anos, juntos do servidor municipal de Racho Alegre D’Oeste, criavam empresas fraudulentas, registravam em nomes de laranjas e davam o golpe do seguro desemprego e salário maternidade.

“Centenas de Carteiras de Identidade foram identificadas como falsificadas. Esses documentos foram utilizados para abertura de empresas, que faziam registros falsos, afim de lesar o INSS. Nós calculamos que o prejuízo chega a R$ 1 milhão”, afirma o delegado.

Na primeira fase da operação, ocorrida em dezembro do ano passado foram cumpridos mandados de busca e apreensão na residência e no posto de identificação onde trabalhava o servidor público em Rancho Alegre D´Oeste, bem como, em um escritório de contabilidade em Maringá. Na ocasião foram apreendidos computadores, celulares e documentos.

A operação foi batizada como “Vucetich”, em alusão ao argentino nascido na Croácia, Juan Vucetich, que desenvolveu e colocou pela primeira vez em prática um sistema eficaz de identificação de pessoas mediante suas impressões digitais.

Agora, a investigação continua para encontrar mais envolvidos na organização criminosa. “Nós esperamos apurar outros delitos e outras pessoas que componham esse grupo. Nós entendemos que o grupo estava muito bem articulado e responsável por subsidiar outras praticas delitivas”, comenta Flore.

Post anteriorPróximo post
Comentários de Facebook