Polícia deve pedir prisão de torcedores do Coritiba e Athletico envolvidos em conflitos no final de semana

BandNews FM Curitiba


A polícia pretende pedir a prisão de todos os envolvidos nos episódios de conflito entre torcedores do Athletico e Coritiba, que ocorreram no último final de semana em Curitiba. As informações são da BandNews FM.

A primeira situação foi gravada no terminal de ônibus do bairro Cabral, no domingo (21) à noite, na qual um casal de irmãos foi acuado por torcedores do Coxa. Sob ameaças, o rapaz foi obrigado a entregar a camiseta e, ainda, agredido com um chute.

Outro caso investigado pela Polícia Civil, que também aconteceu na noite de domingo (21), foi uma agressão a três torcedores do Coritiba, no bairro Centro Cívico. Imagens de uma câmera de segurança mostram os homens, ao lado de duas mulheres, caminhando pela Rua Mateus Leme. Um carro estaciona e, dele, desembarcam torcedores do Athletico, que agridem as vítimas. Os jovens agredidos tiveram lesões pelo corpo, um deles com ferimentos mais graves. Também precisaram entregar a camiseta aos rivais.

O delegado Luiz Carlos de Oliveira, da Delegacia Móvel de Atendimento a Futebol e Eventos (Demafe), diz que mais da metade dos envolvidos já foi identificada e que, com o andamento do inquérito, pretende pedir a prisão dos investigados – que devem responder por roubo e formação de quadrilha.

“Tanto a Fanáticos, quanto a Império, serão responsabilizadas de que maneira? Roubo, seguido de formação de quadrilha, reunir-se em mais de três pessoas para a prática de crime, e o roubo com o uso de violência empregada no roubo das camisas. Temos a identificação de 60% dos envolvidos. Um deles veio até a delegacia Se desculpar com os agredidos, mas isso não modifica em nada, exceto se ele modificar sua conduta futuramente, mas será responsabilizado por roubo e formação de quadrilha”, aponta o delegado.

O delegado também defende que a ‘lei da da intolerância esportiva’, que tramita na Câmara dos Deputados, seja aprovada. O objetivo é aumentar as punições a agressores motivados por rivalidade esportiva. Não há previsão para que o projeto de lei seja votado no Plenário da Câmara.

Previous ArticleNext Article
em 20 minutos tudo pode mudar
[post_explorer post_id="806208" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]