Policial é indiciado por homicídio após atirar contra clientes de posto de Curitiba

O inquérito policial foi concluído nesta quarta-feira e aponta que o policial federal não teve surto no episódio que uma pessoa morreu no bairro Cristo Rei.

Redação - 11 de maio de 2022, 17:50

(Divulgação/PCPR)
(Divulgação/PCPR)

O policial federal Ronaldo Massuia Silva foi indiciado por homicídio qualificado e quatro tentativas de homicídio e ameaça em inquérito concluído pela PCPR (Polícia Civil do Paraná) nesta quarta-feira (11). Ele é investigado desde que atirou em clientes de uma loja de conveniência de um posto de combustíveis no bairro Cristo Rei, em Curitiba.

O fotógrafo Andre Muniz Fritoli, de 32 anos, foi morto por um dos tiros no local. De acordo com a corporação, o policial federal efetuou pelo menos 17 disparos e deixou outras quatro pessoas feridas.

O delegado da PCPRresponsável pelo inquérito, Wallace de Oliveira Brito, ouviu quase 20 testemunhas, incluindo os funcionários do posto de combustível. No documento, Brito classifica a ação como um massacre e que o policial federal não estava em surto.

"As imagens falam por si, dispensam maiores comentários, trata-se de um verdadeiro massacre executado por uma pessoa fria, calculista, sem qualquer ressentimento, com desprezo pela vida alheia", escreveu o delegado, que ainda citou a "personalidade cruel" do policial federal. 

O inquérito ainda aponta que o policial já havia ameaçado outras pessoas com arma da PF e tem histórico de um comportamento explosivo. 

Em nota, a defesa do policial federal diz que "vai esclarecer pontos sobre o trágico fato que pode alterar o relatório final". 

POLICIAL DISPARA CONTRA CLIENTES EM POSTO DE CURITIBA

Na noite do dia 1º de maio, o policial federal foi a um posto de combustível na Rua Sete de Setembro, no bairro Cristo Rei, em Curitiba, e teria tido uma briga com o segurança do local por causa da vaga de estacionamento.

As câmeras de segurança do local mostram o momento em que os clientes entram em pânico com os tiros por volta das 23h45. Algumas pessoas se jogam no chão enquanto outras correm para fora da loja de conveniência. 

Mesmo assim, o policial segue em direção à saída e dispara à queima roupa contra algumas pessoas, deixando um morto e quatro feridos.