‘Polícia forjou uma cena e o executou com cinco tiros na cabeça’, diz familiar de jovem morto em Curitiba

Redação e Narley Resende - BandNews FM Curitiba


A família de Ruhan Luiz Machado, de 20 anos, morto a tiros por policiais militares na última segunda-feira (22) à noite pede que o caso seja tratado como execução. O corpo do jovem é velado nesta quarta-feira na Igreja Fonte da Vida, no bairro Capão da Imbuia. O enterro deve acontecer à tarde, no Cemitério São Roque. Inconformados com a morte do rapaz, familiares e moradores do Cajuru fizeram um protesto na terça-feira no fim da tarde. Manifestantes dispararam rojões, atearam fogo em pneus, apedrejaram um ônibus e jogaram pedras na polícia. As dezenas de pessoas foram alvos de disparos de bombas de gás e tiros de bala de borracha.

Familiares e amigos protestam contra morte de jovem pela PM

De acordo com a família, o jovem foi executado com cinco tiros na cabeça depois de ter sido imobilizado com um tiro na perna. ‎Stefhany Machado‎ conta que ouviu os tiros que mataram o irmão.

“Eu estava vindo na rua e vi as viaturas passando e virando na esquina do meu primo e falei ‘meu irmão está ali’. Nisso ouvi um tiro e a voz dele. […] Primeiro a gente ouviu um e depois mais cinco. Todos foram na cabeça. Ele está com cinco tiros na cabeça”, conta.

A tia, Jucelene Zoara, afirma que o sobrinho gritou por socorro. Ela afirma que a família se mobilizou rapidamente para saber o que estava acontecendo. “Eles deram um tiro na perna do Ruhan e deixaram ele agonizando e depois deram mais cinco tiros na cabeça. Não chamaram socorro. Não permitiram que a família entrasse para socorrer. No primeiro tiro, o pai e a irmã que moram ali do lado, colados praticamente, ouviram os gritos do Ruhan. Ele disse ‘meu CPF é tal, meu RG é tal, a minha tia mora aqui do lado’ e a polícia o executou. Não houve abordagem. Não houve confronto”, afirma.

Ruhan não tem antecedentes criminais. De acordo com a família, ele trabalhava com o pai em uma construtora, havia passado no vestibular para o curso de Direito, mas não tinha como pagar, mesmo tendo conseguido bolsa de 50% desconto. Tinha planos para tentar a bolsa de 100% a partir do próximo Enem. A tia conta que o rapaz tinha acabado de passar em casa antes de morrer.

“Nós estamos falando de um menino que nasceu e mora no mesmo lugar há 20 anos. Era um menino que era conhecido por toda a comunidade e que entrava e saia de todas as casas porque era amado e querido. Estamos falando de um menino que andava de ônibus então como assim ‘armado’? A polícia forjou uma cena”, afirma Jucelene.

Segundo a família de Ruhan, havia cinco jovens na casa quando a polícia chegou. A PM ainda não confirmou essa informação. Em nota preliminar, a corporação informou que os policiais que participaram da ação estão lotados no 20º Batalhão da PM e que, como de praxe, diz a nota, “em toda ocorrência em que há emprego de arma de fogo e pessoas feridas ou em óbito, será analisada por meio de um procedimento interno a fim de verificar todas as circunstâncias do fato e a responsabilidade dos envolvidos”.

Por telefone, a assessoria da PM afirma que um revólver calibre 38 foi apreendido na residência. A família nega. Alguns veículos de comunicação relataram que os policiais apreenderam maconha na casa. Para a tia de Ruhan, mesmo que seja verdade, não justificaria a ação.

“Eu não estaria dando a cara para bater sem ter a plena certeza de quem é o Ruhan. A gente não vai deixar eles mancharem o caráter e a índole desse menino. Não tinha arma. O que a gente sabe é que tinha cinco meninos no local. Dois a polícia levou para averiguar, um a polícia matou e os outros dois saíram apavorados e conseguiram fugir”, diz a tia da vítima.

A reportagem questionou a Polícia Militar e aguarda retorno com informações relevantes do caso. Foi questionado quantos policiais participaram da ação; o que motivou a entrada da polícia na residência; se havia alguém armado e quem era; se o rapaz morreu de fato com “cinco tiros na cabeça” depois de ser baleado na perna, como sustenta a família; se os policiais suspeitos de execução continuam em atividade; e qual o prazo para conclusão de eventual investigação. A assessoria informou por telefone que vai levantar todas as informações e que apenas o laudo do Instituto Médico Legal, que ainda não está pronto, pode confirmar quantos tiros atingiram o rapaz. As informações sobre quem disparou os tiros serão investigadas pela Polícia Civil.

O delegado Cassio Conceição, da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa, participou da perícia no local e recolheu as provas. O caso foi encaminhado para a Central de Flagrantes e depois para o sexto Distrito Policial. Ormínio de Paula Lima Neto é o delegado responsável pelo inquérito. Ele ainda não quer falar sobre o assunto, pois acabou de receber as informações. A PM afirmou na nota prévia que a família pode formalizar as reclamações do atendimento da PM junto a Corregedoria-Geral da Polícia Militar. A família informou que já fez o procedimento.

Previous ArticleNext Article