Polícia prende dupla que confessa envolvimento em morte de motorista da Uber

Redação


A Polícia Civil, por meio da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Curitiba, prendeu dois homens suspeitos de participarem da morte do motorista de aplicativo Uber, Valmir João Nichel, de 59 anos. O motorista foi roubado, agredido com pedras e jogado de uma ponte, ainda em vida, na noite do dia 12 de maio. O corpo foi encontrado na noite seguinte no Rio Iguaçu, no limite entre São José dos Pinhais e Curitiba. O carro incendiado para despistar a polícia.

Motoristas de aplicativo querem comissão para discutir estratégias de segurança no PR
Após quinta morte, SESP e empresas de aplicativos de transporte definem ações para prevenir ataques a motoristas

Douglas Dias de Oliveira, de 29 anos, foi preso no último sábado, (26), em sua residência. Já Hélio Gabriel Freitas de Lima, de 22 anos, foi detido na madrugada de quinta-feira, (31), também em sua casa. Ambos foram ouvidos na delegacia e confessaram o crime, alegando estarem sob o efeito de entorpecentes no momento da ação.

Foto: Reprodução / Facebook

“O laudo do Instituto Médico Legal (IML), apontou ainda severas lesões no crânio provenientes da ação dos suspeitos, bem como, da queda da ponte”, falou o delegado responsável pelo caso, Fábio Amaro. O veículo que a vítima utilizava para trabalhar foi encontrado completamente queimado na Rua Expedicionário Francisco Pereira dos Santos, no bairro Alto Boqueirão, em Curitiba. Os suspeitos alegaram que atearam fogo no carro para despistar a polícia, a fim de eliminar as impressões digitais que estavam no veículo e não serem encontrados.

> Polícia prende três suspeitos de planejar latrocínio de motorista do Uber
> Motoristas do aplicativo Uber protestam no Barigui

A investigação concluiu ainda que a dupla tentou contra a vida de outras duas vítimas, sendo um deles taxista e o outro também motorista de aplicativo. Um deles também foi jogado da mesma ponte e sobreviveu, fala Amaro.

A dupla foi autuada pelo crime de latrocínio, consumado e tentado, e aguarda à disposição da Justiça. Se condenados, poderão pegar penas superiores a 30 anos de reclusão. As diligências contaram ainda, com apoio do Setor de Inteligência da Delegacia de Furtos e Roubos da Capital.

Veja os depoimentos:

Previous ArticleNext Article