Polícia prende suspeito de participar do ataque em Guarapuava

O suspeito foi localizado na noite deste domingo (8) na cidade de Hortolândia, na região de Campinas, segundo a polícia.

Redação - 09 de maio de 2022, 09:51

Foto: Reprodução/Band TV
Foto: Reprodução/Band TV

A Polícia Civil de São Paulo prendeu um homem suspeito de ter participado da tentativa de assalto à uma transportadora de valores em Guarapuava, no Centro do estado, em abril. O suspeito foi localizado na noite deste domingo (8) na cidade de Hortolândia, na região de Campinas, conforme a polícia do estado vizinho.

O ataque ocorreu no domingo de Páscoa, em 17 de abril, e levou terror à população de Guarapuava e região. Um policial militar morreu após ser baleado pelos cerca de 30 homens envolvidos na ação criminosa.

Depois de preso em Hortolândia, o suspeito foi levado ao Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), em São Paulo, para prestar depoimento. A polícia ainda não divulgou informações oficiais sobre a participação do suspeito.

Até o momento, cinco pessoas que teriam envolvimento na tentativa de assalto em Guarapuava foram localizadas, no Paraná e em São Paulo. Dois suspeitos acabaram baleados e morreram em confronto com a Polícia Militar (PMPR). A polícia ainda procura o restante da quadrilha.

RELEMBRE O ATAQUE A PROFORTE EM GUARAPUAVA

Cerca de 30 homens fortemente armados tinham o objetivo de realizar um assalto na transportadora de valores Proforte, em Guarapuava, entre o final da noite de domingo (17) e início de segunda-feira (18).

Os criminosos incendiaram veículos na parte urbana da cidade e bloquearam o acesso ao 16° Batalhão de Polícia Militar, para evitar uma possível captura. Ao mesmo tempo, outra parte da quadrilha atacou a transportadora de valores.

Alguns criminosos atearam fogo em veículos nos acessos à cidade, como na BR-277, e espalharam miguelitos pela pista - dispositivos pontiagudos usados para furar pneus.

Outros bandidos abordaram veículos pelas ruas da cidade e utilizaram populares como reféns, enquanto acontecia o ataque à transportadora. Após a ação, que durou cerca de três horas, eles fugiram sentido interior do estado.

Ao todo, 260 policiais paranaenses foram acionados e participaram das buscas aos envolvidos. Apesar do grande cerco policial montado na região, as investigações tiveram pouco avanço nos dias seguintes. Em meio as buscas, o Governo do Estado trocou o comando da Secretaria de Segurança Pública.