Polícia prende suspeito de estupro que usava perfis falsos na internet

Um homem de 40 anos suspeito de usar perfis falsos nas redes sociais, se passando por uma agenciadora de modelos, para c..

Andreza Rossini - 19 de junho de 2018, 12:00

Foto: Divulgação/Polícia Civil
Foto: Divulgação/Polícia Civil

Um homem de 40 anos suspeito de usar perfis falsos nas redes sociais, se passando por uma agenciadora de modelos, para cometer abusos sexuais, foi preso na última sexta-feira (15) no bairro Tingui, em Curitiba.

De acordo com o Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente (Nucria), uma das vítimas, de 15 anos de idade, contou que recebeu um contato de uma mulher que prometia trabalhos como modelo e participações em programas de TV.

A menina teria marcado o encontro com a suposta agenciadora, mas quando chegou ao local encontrou um homem armado, que a rendeu e abusou sexualmente da vítima.

"Ela pensava que estava conversando com uma mulher, com o pseudônimo de Letícia Chagas, que agenciava mulheres para participar de novelas para uma rede de TV. Ela se interessou e continuou conversando. A agenciadora pediu fotografias com calcinha e sutiã e nuas. Um encontro foi marcado como se a adolescente estivesse indo ao encontro de uma mulher", afirmou a delegado-titular do Nucria, Mônica Meister Grabarski.

"Quando ela chegou se deparou com o investigado que já estava armado e obrigou as relações sexuais. Depois a obrigou a pegar um Uber e ir embora", explicou.

Ele utilizava as redes sociais com vários perfis falsos em nome de mulheres para atrair meninas de 12 a 17 anos, com falsas promessas de trabalho de modelo e possíveis atuações em emissoras de televisão.

Após a comunicação do crime na unidade, os policias foram até o local para prisão em flagrante. "A vítima compareceu com os avos noticiando que foi vítima de estupro naquela manhã. Os policiais foram acompanhados da adolescente e dos responsáveis até a casa do suspeito. Quando chegaram lá ele estava fechando a casa, pronto para fugir. Ela reconheceu o suspeito", disse a delegada.

Ainda segundo Mônica, o homem também teria cometido o mesmo crime no Rio de Janeiro há 5 anos. “No celular e no notebook do suspeito foram encontradas mais de 100 mensagens para pessoas de todo o Brasil. É possível que tenham outras vítimas em Curitiba ”, falou a delegada completando que “quando ele as encontrava, as ameaçava com arma de fogo e cometia os abusos sexuais. Ele foi preso no mesmo endereço onde cometia os crimes”.

Na delegacia, o homem, que é natural do Estado do Rio de Janeiro, disse que se passar por uma mulher nas redes sociais foi uma brincadeira e que não sabia a idade da vítima e nem a teria forçado a manter relações sexuais com ele. Ele foi autuado pelo crime de estupro. Se condenado, poderá pegar até 10 anos de reclusão.

A adolescente passou por exames e recebeu atendimento psicológico.