Polícia prende suspeitos de participação no roubo de filhotes de raça

A Polícia Civil cumpriu mandados de prisão contra dois suspeitos de participação no roubo de 11 filhotes de cães de raça..

Redação - 05 de junho de 2018, 15:08

A Polícia Civil cumpriu mandados de prisão contra dois suspeitos de participação no roubo de 11 filhotes de cães de raça de um pet shop em Curitiba. Alan Rodrigues de Souza, de 25 anos, e Paulo Ricardo de Souza, 28, tiveram seus mandados de prisão expedidos pela 4º Vara Criminal de Curitiba.

Os suspeitos contam com um extensa ficha criminal, sendo que Paulo já respondeu por tráfico de drogas e porte ilegal de arma de fogo, e Alan respondeu por receptação e também por porte ilegal de armas. Ambos permanecem custodiados no setor de carceragem temporária da Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV), à disposição da Justiça.

Roubo

O roubo aconteceu por volta das 11h da manhã, na Rua Professor José Maurício Higgins, na região do Boqueirão. Dois homens aparentemente armados abordaram uma funcionária, fecharam a mulher dentro de uma sala e roubaram cães de diversas raças. Na ocasião, os suspeitos levaram um Yorkshire, quatro cães da raça Pug e seis da raça Bulldog Francês.

Os cachorros foram encontrados pelos investigadores da especializada no dia 02 de abril, na casa de Alan, na Travessa Rio Moinho, no bairro Iguaçu na Fazenda Rio Grande. Todos os animais foram restituídos ao proprietário do pet shop.

Polícia recupera filhotes roubados de pet shop em Curitiba

O delegado-operacional da DFR, André Feltes, lembra que na época as equipes da DFR levantaram diversas informações sobre o roubo até chegar no endereço do suspeito. Os policiais realizaram campanas na proximidades até visualizar um homem com as mesmas características descritas com um dos suspeitos do roubo. “Os policiais realizaram a abordagem ao suspeito que permitiu que tivessem acesso à residência, onde encontraram os filhotes em um dos cômodos da casa”, afirmou.

Prisão

Feltes explica que não foi possível efetuar a prisão dos suspeitos no momento em que os filhotes foram localizados porque ambos já estariam fora do período de flagrante, previsto pelo Código de Processo Penal. “Apesar de os dois não terem sido presos em flagrante, os trabalhos de investigação nos permitiram juntar elementos para que pudéssemos sustentar o pedido de prisão preventiva, o que posteriormente foi deferido pela Justiça”, afirma Feltes.

Ainda segundo o delegado, dentre os motivos que motivaram a expedição dos mandados de prisão estão o reconhecimento de ambos por parte da vítima, a análise de imagens captadas pelas câmeras de segurança do estabelecimento e a localização dos filhotes em posse de Alan. Assim, os dois vão responder por crime de roubo agravado, pelo uso de arma de fogo e emprego de mais de uma pessoa.