Classes policiais do Paraná definem ações contra congelamento dos salários e acenam para greve

Redação


Diversas associações das polícias Civil e Científica do Paraná reuniram-se nesta quarta-feira (19) e definiram medidas contra o congelamento salarial dos servidores públicos estaduais, que já dura quatro anos.

A classe afirma que o governador do Paraná está sendo “omisso” em relação ao tema. De acordo com os policiais, Ratinho Junior (PSD) não ouviu os representantes classistas nenhuma vez. Por isso, a reunião, considerada inédita, deliberou medidas conjuntas a serem colocadas em prática objetivando a urgente adimplência do reajuste inflacionário acumulado no período (data-base).

Entre as definições, está o apoio e participação de manifestações acerca de greve, divulgação do movimento por faixas, exigir que o governo estabeleça requalificação dos agentes e mostrar que os policiais civis e científicos estão apenas recebendo 83% do salário.

Participaram da decisão a Associação dos Delegados de Polícia do Paraná (ADEPOL-PR), Sindicato dos Delegados de Polícia do Paraná (SIDEPOL-PR), Sindicato das Classes Policiais Civis do Paraná (SINCLAPOL-PR), Sindicato dos Policiais Civis do Paraná (SINDIPOL-PR), União da Polícia Civil do Paraná (UPC-PR), Sindicato dos Peritos Oficiais e Auxiliares do Paraná (SINPOAPAR), Associação Brasileira de Criminalística (ABC) e a Associação Nacional dos Delegados de Polícia Judiciária (ADPJ).

Confira todas as medidas definidas:

  • Os policiais civis e científicos farão apenas o releasing para a imprensa das operações policiais;
  • Realizar entregas simbólicas de viaturas por meio de carreata, a ser realizada às 13:00 horas do dia 24/06/2019;
  • Obedecer a carga horária laboral constitucional de 40 (quarenta) horas semanais;
  • Obedecer estritamente as normas de segurança policial, inclusive em relação à célula mínima de 02 (dois) policiais civis por diligências e escoltas de presos;
  • Não trabalhar com equipamento vencido ou defeituoso;
  • Apoiar e participação junto às manifestações acerca de greve;
  • Divulgar o movimento em faixas;
  • Exigir que o governo estabeleça requalificação a todos os Policiais Civis;
  •  Cientificar a sociedade, através dos meios necessários, acerca da crise de recursos humanos na Polícia Civil e na Polícia Científica.
  • Divulgar na imprensa que outras instituições estão recebendo a data-base;
  • Mostrar à sociedade que atualmente os policiais civis e científicos estão apenas recebendo 83% do salário, quando é levado em consideração a remuneração anual.

A ADEPOL-PR, o SIDEPOL-PR, o SINCLAPOL-PR, o SINDIPOL-PR, a UPC-PR, o SINPOAPAR, a ABC e a ADPJ, ressaltam que seguem à disposição de seus associados e filiados, na defesa intransigente de vossas prerrogativas.

Previous ArticleNext Article