Após morte de motoristas de aplicativos, empresas debatem melhorias na segurança

Roger Pereira

Representantes das empresas de aplicativos de transporte e prefeitura de Curitiba se reuniram nesta terça-feira (20) para debater melhorias na segurança das plataformas. O encontro aconteceu na sede da Secretaria de Defesa Social e Trânsito de Curitiba. Os representantes das empresas Uber, Cabify, Easy Taxi e 99 POP, além da prefeitura da capital e órgãos de segurança, analisaram as demandas solicitadas pelos motoristas que trabalham nas plataformas digitais. O secretário da Defesa Social, Guilherme Rangel, garantiu que o objetivo é aprimorar o funcionamento dos aplicativos.

“Nossa intenção é dar mais segurança a todos os agentes, todos que participam de alguma maneira deste sistema. Então, vamos integrar sim com o setor privado, ver o que eles podem nos passar na questão da segurança e passar o pleito dos motoristas para eles para que a gente possa tornar tudo mais seguro”

Os trabalhadores reclamam de vários pontos, entre eles, uma identificação mais segura na hora de chamar a corrida, com mais rigor na foto do perfil do passageiro. Segundo motoristas, algumas pessoas têm fotos de paisagens, como o pôr do sol, por exemplo. O que torna impossível reconhecer quem faz o pedido de viagem. O coordenador nacional da empresa 99 POP, Raul Montenegro, explicou que, tendo em vista o alto índice de violência, a empresa criou em julho do ano passado uma central de segurança que reduziu em 80% o número de incidentes.

“Essa equipe é composta por mais de 30 pessoas e trabalha 24 horas por dia, sete dias por semana, para melhorar esses resultados, com diversas ferramentas que visam aumentar a proteção de nossos usuários. Temos ex-militares trabalhando lá, engenheiros de dados criando uma inteligência artificial específica para aumentar a segurança e até psicólogos para conseguir prestar o melhor atendimento ao usuário, com foco sempre na prevenção”.


Os motoristas também pedem que o pagamento seja efetuado apenas com cartão de crédito e a instalação de um botão do pânico, para ser acionado em momentos de perigo. Montenegro disse que o dispositivo está em fase de análise. “Isto está sendo estudado para que caso a gente conclua que isso realmente aumentará a segurança do motorista, seja implementado num futuro próximo”.

Outro pedido dos motoristas é o aumento nas abordagens policiais aos veículos. A solicitação, segundo o secretário da Defesa Social, não agradou as empresas. “A gente tem feito mais abordagem em todos os veículos, independente de serem de transporte ou não. Mas hoje, com os representantes dos aplicativos, a gente já encontrou, alguma resistência, um ponto de vista diferente. Eles têm mais limitações legais, como o Marco Civil da Internet, que os impedem de compartilhar algumas informações sem ordem judicial”.

Os pedidos surgem após os vários casos de motoristas de aplicativos assassinados.// Nestes primeiros meses do ano, em um intervalo de 23 dias, três profissionais foram encontrados mortos em Curitiba e Região Metropolitana.

Post anteriorPróximo post
Roger Pereira
Repórter do Paraná Portal
Comentários de Facebook