Pontal do Paraná abre sindicância após golpe de e-mail falso

Foi feito um depósito de R$ 573 mil em uma conta fraudulenta, como se fosse uma prestadora de serviço de coleta de lixo.

BandNews FM Curitiba - 10 de fevereiro de 2022, 13:33

Foto: Divulgação/Pontal do Paraná
Foto: Divulgação/Pontal do Paraná

A Prefeitura de Pontal do Paraná, no Litoral do Estado, abriu uma sindicância interna para apurar a responsabilidade de servidores após um golpe do e-mail falso. Foi feito um depósito de R$ 573 mil em uma conta fraudulenta, como se fosse uma prestadora de serviço de coleta de lixo.

A Secretaria de Finanças escolhe quais servidores participarão da comissão. A procuradora do município, Verginia Pedroso, destaca que parte do valor depositado já foi bloqueado.

"Infelizmente o município tem sofrido ataques de forma infundada com relação a esse fato que ocorreu. A prefeitura, tomando conhecimento que havia uma fraude na abertura dessa conta, imediatamente adotou as providências de lavratura do boletim de ocorrência, abertura de pedido junto ao banco, que tem responsabilidade na segurança na abertura de contas. Foi ajuizada uma demanda judicial de conceder uma liminar determinando o bloqueio da conta", disse.

Os valores deveriam estar na conta da empresa HMS Transportes e Locação da Caçambas, que presta o serviço ao município há cinco anos. No e-mail, os golpistas solicitaram a mudança da conta bancária para o pagamento e foram atendidos.

Por enquanto, a empresa cumpre o contrato sem receber o valor referente ao serviço prestado nos últimos meses. A procuradora relata que a conta falsa tinha os mesmos dados da conta oficial da empresa HMS.

"A HMS reitera que presta serviços há cinco anos ao município e sempre recebendo na mesma conta. Mas fomos levados ao erro pelo uso de informações da própria empresa. A conta aberta no banco tem o mesmo CNPJ, nome. Então, tanto o município quanto a empresa fomos vítimas. A HMS e os cofres da prefeitura não serão lesados", completa a procuradora.

A prefeitura solicitou que o dinheiro seja devolvido para realizar o pagamento. O caso é investigado também pelo Núcleo de Combate aos Cibercrimes (Nuciber), da Polícia Civil.

As informações são da BandNews Curitiba.