Por falta de efetivo da PF, Justiça amplia prazo para desocupação da UTFPR

A Justiça Federal estendeu por mais 48 horas o prazo para o cumprimento pela Polícia Federal (PF) da reintegração de pos..

Narley Resende - 23 de novembro de 2016, 08:44

A Justiça Federal estendeu por mais 48 horas o prazo para o cumprimento pela Polícia Federal (PF) da reintegração de posse da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, que está ocupada desde a sexta-feira (18). O prazo começa a valer a partir de terça-feira (22).

A PF enviou ofício à Justiça pedindo prazo até sexta-feira, dia 25, para que possa cumprir o mandado de reintegração da sede da UTFPR, no bairro Rebouças em Curitiba. Segundo a PF, a operação é sensível, com desdobramento imprevisível, e demanda planejamento operacional para evitar tumulto.

O documento assinado pelo delegado José Washington Luiz Santos revela que o efetivo policial neste momento é insuficiente, em razão de eventos nacionais, como as eleições e a olimpíada, que fizeram com que muitos policiais marcassem férias obrigatórias para este período. A PF também afirma que equipamentos de controle de distúrbios civis estão em Brasília e ainda precisam ser enviados a Curitiba.

Dois mandados de reintegração da UTFPR foram emitidos até agora pela Justiça Federal. Um no sábado e outro nessa segunda-feira. O segundo estipula multa de 10 mil reais por dia de descumprimento a estudantes e entidades de classe que participam e apoiam a ocupação. O oficial de Justiça entregou o mandado às 9h24 de terça e a partir disso a multa já passou a valer.

Um porta-voz da ocupação, com o rosto coberto, conversou com a imprensa na terça à tarde e disse que os alunos não pretendem resistir a uma provável ação da PF para reintegração de posse. Ele disse que o movimento é pacifico e jamais confrontaria a polícia. Os estudantes pedem o envio de representante do governo federal para ouvir o movimento.

Segundo os alunos, a única presença do Estado, foi por meio de ação policial. As perguntas da imprensa foram entregues com antecedência para que o porta-voz pudesse responder em pronunciamento.

Os alunos contrários reclamam que não houve decisão pela ocupação da Universidade em assembleia. Sobre isso, o porta-voz da ocupação disse que houve a maior assembleia da história da UTFPR há duas semanas e que 80% dos alunos decidiram por paralisação de dois dias contra a PEC.

Para ele, este fato mostra que a maioria apoia a reivindicação. A afirmação, porém, confirmou que não houve deliberação pela ocupação em si.

Sobre a multa de 10 mil reais por dia de descumprimento da reintegração de posse, o porta-voz disse que isso não vai desmobilizar os estudantes. Os estudantes protestam contra a PEC 55, que congela gastos primários da União pelos próximos 20 anos, e contra a reforma no ensino médio por meio de medida provisória.

Violência 

UFPR

O juiz federal Friedmmann Anderson Wendpap determinou nessa terça a reintegração de posse de todos os nove prédios ocupados por estudantes na Universidade Federal do Paraná (UFPR). Oito ficam em Curitiba.

Devem ser desocupados os seguintes edifícios: D. Pedro I, D. Pedro II, Artes, Terapia Ocupacional e Enfermagem, Educação Física, Ciências Exatas, Bigarella (Ciências da Terra), PA e PC e Setor Litoral.

O magistrado afirma na decisão que as atividades na universidade têm sido impedidas desde o início do movimento, no dia 24 de outubro. Cerca de 10 mil estudantes estão sem aulas e o vestibular, marcado para os dias 27 de 28 de novembro, corre risco iminente, segundo o juiz.