Prefeitura de Curitiba quer assumir custeio do transporte coletivo durante pandemia

Vereadores de Curitiba votam um projeto de lei do prefeito Rafael Greca (DEM) para que a Prefeitura assuma o custeio da ..

Redação - 27 de abril de 2020, 08:48

Foto: Daniel Castellano / SMCS
Foto: Daniel Castellano / SMCS

Vereadores de Curitiba votam um projeto de lei do prefeito Rafael Greca (DEM) para que a Prefeitura assuma o custeio da manutenção do transporte coletivo durante a pandemia do coronavírus.

A votação, que foi adiada no dia 22, é realizada em regime de urgência nesta segunda-feira (27).

PREFEITURA DE CURITIBA PODE ASSUMIR MANUTENÇÃO DO TRANSPORTE COLETIVO POR 3 MESES

De acordo com o Setransp (Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba), desde o início da pandemia o orçamento apresenta um déficit de R$ 61 milhões. Com o movimento de passageiros reduzido, motoristas e cobradores de ônibus de Curitiba receberam 50% do salário em abril. 

A Prefeitura de Curitiba, segundo o texto do projeto de lei, irá garantir o pagamento dos salários e direitos trabalhistas aos funcionários das empresas. Assim como combustível, manutenção, taxa de gerenciamento, peças e acessórios por 3 meses.

Neste período, as empresas não terão lucro sobre a operação e nem receberão a taxa de depreciação dos veículos. O custo total da manutenção do transporte coletivo de Curitiba é de R$ 78 milhões por mês.

O dinheiro para custear a o transporte coletivo viria do Fundo de Emergência, que são R$ 500 milhões para decisões envolvendo a pandemia do coronavírus. De acordo com a Prefeitura, R$ 300 milhões são destinados para a saúde e o restante para outras contingências, como essa do transporte coletivo.