Justiça libera três presas da 8ª fase da Pecúlio

Andreza Rossini


As três mulheres presas temporariamente na última terça-feira (16), durante a 8ª fase da Operação Pecúlio, batizada de Renitência, foram soltas na tarde de quarta-feira (17).

Elas estavam detidas no Centro de Ressocialização Feminino de Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, suspeitas de participar de um esquema de fraude em licitações na Saúde.

Elas devem responder o processo em liberdade e não podem se comunicar com outros investigados. Outros três detidos, que estavam com prisão preventiva, foram transferidos da carceragem da Polícia Federal para a Penitenciária Estadual de Foz do Iguaçu, na manhã desta quinta-feira (18).

A operação recebeu o nome “Renitência” em razão da obstinação de alguns agentes públicos em se valerem do cargo exercido para cometer ilícitos penais, ainda mais depois das ações repressivas do Estado quanto às condutas descortinadas nas fases anteriores da Operação Pecúlio.

> Desvios descobertos na Operação Pecúlio geraram prejuízo de R$ 30 milhões
TJ anula cassação de vereadores investigados na Operação Pecúlio
Operação Pecúlio mira esquema de plantões médicos fictícios em Foz

A Operação 

A Operação Pecúlio, deflagrada em abril de 2016, investiga um esquema de corrupção e fraude em licitações nas áreas de obras e de saúde em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná. A investigação da Polícia Federal (PF) estima que os prejuízos com os desvios de recursos públicos passem de R$ 30 milhões. Além de empresários, secretários, diretores e demais servidores do Executivo local, o esquema também funcionava na Câmara Municipal do município. O grupo criminoso seria comendado pelo ex-prefeito Reni Pereira (PSB).

Previous ArticleNext Article