Presos e agentes da Casa de Custódia de Maringá são alvos de operação

De acordo com a PCPR, o esquema de corrupção envolvia presos, auxiliares de cadeia e terceiros na Casa de Custódia de Maringá

Redação - 01 de fevereiro de 2022, 07:21

Divulgação/PCPR
Divulgação/PCPR

Doze ordens judiciais são cumpridas nesta terça-feira (1°), na região norte do Paraná, contra um grupo envolvido em corrupção ativa e passiva na Casa de Custódia de Maringá. Agentes da carceragem recebiam dinheiro para entregar objetos para os presos. 

Entre as ordens judiciais, estão oito mandados de busca e apreensão e quatro mandados de prisão preventiva. A ação está sendo realizada em Maringá, Sarandi e Campo Mourão.  

De acordo com a PCPR (Polícia Civil do Paraná), o esquema de corrupção envolvia presos, auxiliares de cadeia e terceiros. Os pedidos, como drogas e celulares, eram feitos pelos familiares dos presos e o dinheiro depositado na conta de um dos integrantes da organização criminosa. Posteriormente, os agentes entregavam os itens solicitados e recebiam o dinheiro.

Os suspeitos também deverão responder por associação ao tráfico, tráfico de drogas e lavagem de dinheiro.

Conforme as investigações, o chefe da organização criminosa, preso na Casa de Custódia de Maringá, comprou um terreno com dinheiro derivado do crime, e colocou no nome de terceiro para ocultar a propriedade do imóvel.