PRF dá dicas para evitar a colisão traseira, acidente mais frequente nas estradas

Um levantamento da PRF demonstra que em 2021, assim como em outros anos, a colisão traseira foi o tipo de acidente mais ..

Redação - 28 de dezembro de 2021, 10:17

Agência PRF
Agência PRF

Um levantamento da PRF demonstra que em 2021, assim como em outros anos, a colisão traseira foi o tipo de acidente mais frequente nas rodovias federais do Paraná. Correspondeu a mais de 20% do total de acidentes registrados até dezembro deste ano. E para ajudar quem vai pegar a estrada, os agentes, como parte das ações do Programa Rodovida 2021, fizeram uma lista de dicas para evitar esse tipo de acidente (veja abaixo). As informações são da Agência PRF.

Esse acidente está intimamente relacionado ao comportamento imprudente do motorista de não guardar distância de segurança do veículo que transita a sua frente e também foi responsável pelo maior número de feridos em acidentes nas BRs do estado, correspondendo à 20% do total de feridos.

Apesar de não ser a colisão mais fatal, está longe de ser apenas “batidinha de para-choques”, como muitos acreditam. A colisão traseira corresponde a mais de 10% das fatalidades, ficando atrás somente das colisão frontal, atropelamento e saída de pista, no número de mortos.

Deixar de guardar distância de segurança, além de ser uma infração de trânsito passível de multa, prejudica muito a fluidez do trânsito nas rodovias. Imprevistos podem acontecer e mesmo um motorista desatento é capaz de reagir em tempo a eles se mantiver uma distância segura do veículo da frente.

Além disso, entre as dicas, não “andar colado” auxilia os veículos que tenham a intenção de realizar ultrapassagens e os veículos de socorro a intercalarem com agilidade e segurança os veículos que transitam a sua frente, diminuindo o risco de acidentes e melhorando a fluidez do trânsito. Veja as dicas:

REGRA DOS DOIS SEGUNDOS

Mantenha uma distância segura do veículo da frente. Uma boa distância permite que você tenha tempo de reagir e acionar os freios diante de uma situação de emergência e para que haja tempo também para que o veículo, uma vez freado, pare antes de colidir.

Uma regra simples que muitos não conhecem e que pode ajudar a evitar muitos acidentes e salvar vidas é a regra dos dois segundos. Em condições normais da pista e do clima, o tempo necessário para manter a distância segura é de, aproximadamente, dois segundos.

Essa distância, leva em consideração o trânsito dentro dos limites de velocidade estabelecidos, que é de 110 quilômetros por hora no máximo.

1. Escolha um ponto fixo à margem da via;

2. Quando o veículo que vai à sua frente passar pelo ponto fixo, comece a contar;

3. Conte dois segundos pausadamente. Uma maneira fácil é contar seis palavras em sequência “cinquenta e um, cinquenta e dois”.

4. A distância entre o seu veículo e o que vai à frente vai ser segura se o seu veículo passar pelo ponto fixo após a contagem de dois segundos.

5. Caso contrário, reduza a velocidade e faça nova contagem. Repita até estabelecer a distância segura.

Para veículos com mais de 6 metros de comprimento ou sob condições adversas como chuva e neblina, aumente o tempo de contagem: “cinquenta e um, cinquenta e dois, cinquenta e três”.

 

PERIGO DE COLISÃO TRASEIRA NO FINAL DE FILA

Um dos imprevistos que podem ocorrer nos deslocamentos nas estradas é se deparar com uma equipe policial, ou da concessionária que presta serviço na rodovia, sinalizando um congestionamento ocorrido devido a algum acidente grave ou interdição na via.

Neste caso, as dicas orientam para que se mantenham os cuidados da direção defensiva. Assegure a distância do veículo a sua frente, reduza a velocidade gradativamente e sinalize eventuais manobras ou paradas completas. Desta forma você evita a ocorrência de novos acidentes.

Observe as orientações emanadas pelo agente. Não confunda esta situação com uma fiscalização de velocidade ou ‘blitz’. Conduza seu veículo conforme os sinais do agente. Como exemplo, o sinal de reduzir a velocidade ou a ordem de parada. Fique atento a objetos como cones e viaturas. Estes podem estar orientando mudança de faixa ou pista.