Psicóloga é presa após atirar maracujá congelado em idosa que participava de marcha

Redação

psicóloga maracujá marcha curitiba idosa

Uma psicóloga de 52 anos foi presa em flagrante após jogar um maracujá congelado do 13º andar e atingir a cabeça de uma senhora de 73 anos. A idosa participava da Marcha da Família Cristã pela Liberdade, realizada neste domingo (11) em Curitiba.

De acordo com a Polícia Civil (PCPR), a mulher segue detida e aguarda audiência de custódia. Ela é acusada de tentativa de homicídio. Conforme a lei de abuso de autoridade, a corporação não divulga o nome da psicóloga. Isso só pode acontecer caso o Ministério Público ofereça denúncia.

Segundo relatos de quem estava na organização, a psicóloga atirou a fruta congelada do apartamento na Avenida Visconde de Guarapuava, no bairro Batel.

A idosa atingida foi levada ao Hospital Evangélico Mackenzie e teve que receber pontos na cabeça. Após a realização de exames, ela foi liberada durante à noite deste domingo.

VÍDEO MOSTRA ATENDIMENTO A IDOSA ATINGIDA POR PSICÓLOGA

Um vídeo, gravado por uma das participantes do protesto, flagrou o atendimento das forças de segurança à idosa atingida pelo maracujá congelado.

A senhora aparece deitada na rua, com os agentes chegando para prestar socorro. Enquanto isso, os policiais militares entram no edifício da Avenida Visconde de Guarapuava para executar a prisão em flagrante da psicóloga.

Assista a cena:

MARCHA EM CURITIBA

As centenas de pessoas que participaram da marcha se concentraram na Praça Nossa Senhora de Selete, no Centro Cívico, e circularam por pelo menos outros cinco bairros.

O protesto pedia a liberação de missas e cultos presenciais. Os eventos nunca foram proibidos no Paraná, embora a Sesa (Secretaria de Estado da Saúde) tenha limitado a ocupação em 15% para coibir aglomerações.

Com críticas ao STF (Supremo Tribunal Federal), que autorizou que estados e municípios vetassem cultos e missas durante a pandemia, faixas e cartazes faziam ode à “liberdade”, pedindo a abertura imediata dos templos e do comércio.

Os manifestantes também pediam o “fim do comunismo”, estabelecendo uma falsa relação entre o movimento político que suprime a propriedade privada e as medidas de restrição para combater o avanço da Covid-19.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="757022" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]