Quase metade dos cães dos lares curitibanos são vira-latas, aponta pesquisa

Curitiba segue a tendência do país, segundo a Rede de Proteção Animal da cidade: os SRDs são 47% dos cães dos lares curitibanos

Redação - 05 de abril de 2022, 08:15

Foto: Hully Paiva/SMCS
Foto: Hully Paiva/SMCS

Os animais sem-raça-definida (SRDs), popularmente conhecidos como vira-latas, são os favoritos dos tutores curitibanos. É o que aponta o levantamento feito por uma empresa especializada no mercado de pet sitters (babás de pets), que tem em seu cadastro predominância de SRDs entre cães e gatos.

Curitiba segue a tendência do país, segundo a Rede de Proteção Animal da cidade. Os SRDs são 47% dos cães dos lares curitibanos.

O dado é do Sistema de Identificação Animal (SIA), que tem o cadastro dos pets da cidade, com base nas informações dos microchips implantados nos bichinhos. De acordo com o diretor do Departamento de Pesquisa e Conservação da Fauna, Edson Evaristo, essa é uma estatística favorável para a cidade. 

“Infelizmente ainda há muitos animais nas ruas e a maior presença dos vira-latas nos lares curitibanos indica que estamos no caminho certo na sensibilização da população quanto a práticas de adoção de animais abandonados e guarda-responsável", diz. 

São 191,2 mil cães cadastrados no SIA e os vira-latas são mais de 90 mil. Em segundo lugar na preferência dos curitibanos aparece o lhasa apso, com 9,2 mil animais cadastrados, seguidos pelos quase 8 mil shih-tzus, 6,5 mil pinschers e 4,6 mil poodles.

No Brasil, o vira-lata aparece com 40% da popularidade, seguido dos shih tzus (12%) e dos yorkshires terrier (5%). 

Vantagens de ter um pet em casa

De acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde, do Instituto Brasileio de Geografia e Estatística (IBGE), de 2019, na Região Sul, 57,4% dos domicílios possuem cães. “Esse número não é à toa”, pondera Evaristo. “A presença de pets em casa tem influência sobre o bem-estar das pessoas e das famílias”, completa. 

Durante os piores momentos da pandemia, muitas pessoas optaram pela companhia de um bichinho. Para aliviar um pouco o sofrimento e deixar o dia a dia mais leve, adotar um pet é um caminho, segundo a psicóloga Ticianne Frega, da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba. Os bichinhos possuem uma sensibilidade apurada, segundo ela. 

"Os animais são capazes de detectar o humor dos donos, bem como se conectar de forma a ampará-los nos momentos de dificuldades”, explica. “Eles auxiliam a manter o senso de rotina e promovem um contato mais aproximado, fortalecendo laço e vínculo, tornando-se, por vezes, agentes de proteção à saúde mental”, acredita. 

Quando esse animal vem de uma adoção - e provavelmente é um SRD - o amor vem em dobro. “Ao adotarmos, ganhamos o dobro em carinho e reconhecimento”, avalia a psicóloga, também entusiasta da Causa Animal. 

Como adotar um AUmigo em Curitiba

Em Curitiba, o Centro de Referência para Animais em Situação de Risco (Crar) funciona como um centro de adoção permanente. Lá estão os animais resgatados de situações de maus-tratos e os que vivem sem tutores vítimas de atropelamento. Os animais aptos para adoção são todos castrados, vacinados, desverminados e microchipados, prontos para receber os dados do novo tutor. 

No site da Rede de Proteção Animal e em sua página no Facebook, é possível ver as fotos de alguns animais e veterinários da Rede estão disponíveis, diariamente, para orientar processos de adoção. 

O Centro funciona todos os dias, das 9h às 12h e das 13h30 às 15h30, na Rua Lodovico Kaminski, 1.381, na CIC. O agendamento para conhecer os animais pode ser feito pelo telefone 41 99963-0233.