Reflexos da pandemia da covid-19 no setor de eventos: autônomos precisam de ajuda

Medida fundamental para a contenção do avanço da Covid-19, o isolamento social impactou severamente diversos setores eco..

Mirian Villa - 02 de agosto de 2020, 15:48

Pixabay
Pixabay

Medida fundamental para a contenção do avanço da Covid-19, o isolamento social impactou severamente diversos setores econômicos do país. Um deles é o de eventos, que teve 98% da categoria afetada pela pandemia do novo coronavírus, segundo uma pesquisa realizada pelo Sebrae.

Para driblar os efeitos da crise econômica, 34% dos empresários devolveram dinheiro para o contrante, já outros 35% conseguiram negociar crédito para realizar os eventos futuramente. Quando analisamos o recorte através de freelancers como, por exemplo, garçons, fotógrafos e técnicos de luz e som, a situação fica ainda mais complicada.

Diversos trabalhadores que prestam serviços em eventos, mas não possuem vínculos empregatícios, tiveram que se virar nesses quase cinco meses para administrar as despesas da casa. Esse é o caso da Vanderléia de Souza Campos, que é garçonete freelancer e não conseguiu o auxílio emergencial.

Vandérleia em um dia de trabalho (Arquivo pessoal) Jefferson em um evento (Arquivo pessoal) Gislaine trabalhando antes da pandemia da covid-19 (Arquivo pessoal)

RETORNO DO SETOR DE EVENTOS AINDA ESTÁ LONGE

Assim como os outros trabalhadores autônomos que atuam no setor de eventos, o sonho do retorno parece distante, mas é aguardado com grande expectativa. "Precisamos trabalhar e conquistar nossa dignidade", afirmou Vanderléia.

"Minha perspectiva de melhora é para fevereiro ou março de 2021, sendo bem otimista. Enquanto não sair a vacina, acho complicado o retorno dos eventos", apontou Jefferson. Já Gislaine, não vê uma perspectiva de volta tão próxima.