Repasse às escolas de samba cai pela metade

Rafael Neves, Metro Jornal Curitiba A FCC (Fundação Cultural de Curitiba) anunciou um corte de custos para o Carnaval da..

Narley Resende - 12 de janeiro de 2017, 08:10

Rafael Neves, Metro Jornal Curitiba

A FCC (Fundação Cultural de Curitiba) anunciou um corte de custos para o Carnaval da capital neste ano. As cinco escolas do grupo principal, que receberam R$ 60 mil cada uma no ano passado para organizar seus desfiles, terão R$ 30 mil em 2017.

O motivo, segundo a prefeitura, é o corte de custos. “A medida foi tomada diante da disponibilidade de caixa da prefeitura. A prefeitura não pode dar cheque sem fundo. Vai ser menos do que nós gostaríamos, mas é o que nós podemos fazer no momento para continuar tendo o carnaval”, explica o presidente da FCC, Maurício Appel.

O motivo, segundo a prefeitura, é o corte de custos. “A medida foi tomada diante da disponibilidade de caixa da prefeitura. A prefeitura não pode dar cheque sem fundo. Vai ser menos do que nós gostaríamos, mas é o que nós podemos fazer no momento para continuar tendo o carnaval”, explica o presidente da FCC, Maurício Appel.

"Readequação"

A mudança impacta o pró- prio sistema de disputa do Carnaval. Neste ano não haverá o concurso com campeão, vice, e rebaixamento e acesso, apenas o desfile. “As escolas estão chateadas, mas a gente está fazendo pelo Carnaval, pela cultura e pelas comunidades”, diz Jefferson Pires, presidente da Imperatriz da Liberdade, escola do bairro Sítio Cercado que vai para seu quarto desfile em 2017.

Segundo Pires, a escola criou, em outubro de 2016, um barracão cultural em que oferece atividades como música e capoeira aos moradores. Com a queda no aporte, o projeto será suspenso.

“Ontem

Pré-Carnaval será nos dias 5 e 12 de fevereiro

Em dois finais de semana – menos do que em outros anos –, o pré-carnaval curitibano será mantido. Neste ano, a festa será nos dias 5 e 12 de fevereiro na Av. Cândido de Abreu, da “onça” do Centro Cívico até a R. Barão de Antonina.

O presidente da FCC, Maurício Appel, frisa que não haverá recursos públicos: o pré- -carnaval será todo bancado pela iniciativa privada. Segundo Appel, não foi possível fazer o mesmo com o Carnaval porque a legislação municipal proíbe que empresas de bebidas financiem o evento.

Cidades têm cancelado o Carnaval

Prefeituras de municípios de vários tamanhos têm cancelado seus carnavais devido ao corte de gastos. Campinas (SP), Santo André (SP) e São Gonçalo (RJ), por exemplo, anunciaram esta medida nos últimos dias.

Em Curitiba, a “readequação” do Carnaval não foi o primeiro impacto do ajuste fiscal na cultura. A Oficina de Música, que costumava ocorrer em janeiro, foi adiada para o segundo semestre.

Colombo não terá a Festa da Uva

A prefeitura de Colombo, na região metropolitana de Curitiba, cancelou ontem a Festa da Uva, que teria neste ano sua 54ª edição. A medida é parte de um ajuste fiscal que inclui uma redução de 20% no salário da prefeita Beti Pavin (PSDB), do vice-prefeito e de secretários.

A prefeitura informou que nos últimos anos o evento “se pagou” com patrocinadores, mas o município não poderia assumir riscos.