Temporal aumenta riscos da leptospirose; veja os sintomas

Francielly Azevedo - CBN Curitiba


Com as chuvas que atingiram Curitiba e Região Metropolitana nesta quinta-feira (22), surge o risco de contágio com a leptospirose. A doença é transmitida por uma bactéria presente na urina do rato e a chance de transmissão aumenta em casos de enchentes e alagamentos.

Quando presente na água, a bactéria entra no organismo humano pela pele, boca e pelos olhos.

O médico e diretor do Centro de Epidemiologia da Secretaria Municipal de Saúde, Alcides de Oliveira, explica que o contágio se dá não apenas quando a pessoa entra na água.

“Como a bactéria está diluída, pode estar na superfície. Por isso as pessoas devem se proteger e limpar seus ambientes utilizando, de preferência, água, água sanitária e sabão”, conta.

A Secretaria Municipal da Saúde ressalta que é uma doença grave, com alto risco de contaminação e que pode matar. Quanto antes for feito o diagnóstico correto da leptospirose, maiores são as chances de recuperação.

O médico conta que os sintomas podem ser confundidos com uma gripe.

“Habitualmente, o sintoma só aparece em torno de uma semana, mas pode demorar até 30 dias em alguns casos. Os sintomas são febre, dor de cabeça, vômito, dores no corpo, principalmente nas pernas e panturrilhas. É um sinal bem chamativo da leptospirose”, completa.

A orientação é que, ao procurar o médico, o paciente informe se teve contato com água e lama de enchentes.

Previous ArticleNext Article