Rodízio de abastecimento de água chega a 600 dias sem previsão de normalização

Redação

estiagem, chuva, chuvas, paraná, curitiba, região metropolitana, índice de chuva, sanepar, simepar, previsão, crise hídrica, reservatórios, abastecimento, falta de água, nível dos reservatórios, represas, ana, atlas

O rodízio de abastecimento de água em Curitiba e região metropolitana está prestes a completar 600 dias sem uma data oficial para acabar. A medida de emergência foi adotada pela Sanepar (Companhia de Saneamento do Paraná) em março de 2020, devido à estiagem que levou os reservatórios aos níveis mais baixos da história.

O racionamento foi introduzido oficialmente na Grande Curitiba no dia 19 de março de 2020, três dias após moradores serem surpreendidos e ficarem sem água pela dificuldade em captar água na estação do Rio Miringuava, em São José dos Pinhais. Anunciado como uma medida temporária, o rodízio faz parte da rotina dos moradores desde então.

O rodízio de abastecimento de água foi suspenso durante alguns finais de semana, mas em abril de 2020 precisou ser ampliado. No dia 11 de agosto de 2020, o nível médio dos reservatórios que compõem o SAIC (Sistema de Abastecimento de Água Integrado de Curitiba) caiu para patamares inferiores a 30% e passou a vigorar o rodízio de 36 horas por 36 horas.

Em dezembro de 2020, a Sanepar suspendeu o rodízio de abastecimento de água durante o Natal, e viu o consumo aumentar mais de 15% em Curitiba região metropolitana. A virada do ano trouxe precipitações regulares, mas embora em janeiro de 2021 tenha registrado chuvas acima da média, o nível dos reservatórios que abastecem a região são passou de 50%.

O fenômeno climático La Ninã foi usado como argumento pela Sanepar para prorrogar o rodízio no abastecimento de água até abril de 2021. No entanto, como a seca deu uma trégua, em março de 2021 o rodízio passou a vigorar de forma menos rígida, com 60 horas de abastecimento para cada 36 horas de racionamento.

A estiagem voltou a apertar em junho de 2021, quando o Monitor de Secas, da ANA, apontou que 40% do território do Paraná era afetado pela seca grave. Como a situação não melhorou, em agosto de 2021, o rodízio de abastecimento de água foi endurecido. Em Curitiba e região, voltou a vigor o racionamento de 36 horas por 36 horas.

Em agosto de 2021, o Governo do Paraná decretou situação de emergência hídrica em todo o território estadual. Até então, a situação acometia apenas Curitiba e região metropolitana. O atual decreto é válido até o início de novembro.

PARANÁ PRECISA INVESTIR EM CAPTAÇÃO, DIZ ATLAS ÁGUAS

Apesar de uma estiagem sem precedentes assolar várias regiões do Brasil, a falta de chuvas não é a única explicação para a criação do cenário de insegurança hídrica. Dentre os estados da região sul, o Paraná é o que mais precisa investir em captação e distribuição de água, segundo o  Atlas Águas – Segurança Hídrica do Abastecimento Urbano.

Segundo o relatório publicado em outubro pela ANA (Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico), o Paraná precisa investir pelo menos R$ 5,3 bilhões até o ano de 2035 para garantir o abastecimento universal de água. O valor representa mais de 38% dos investimentos necessários para a região sul.

Conforme a publicação, a maior parte dos investimentos – R$ 3,3 bilhões, ou 62% – é necessária para a produção de água. Outros R$ 2 bilhões (38%) seriam necessários para garantir a distribuição do recurso. O Atlas Águas classificou 52% dos municípios do Paraná como áreas com segurança hídrica baixa ou média.

+ LEIA MAIS: Paraná precisa investir R$ 5,3 bi até 2035 para garantir abastecimento de água

água, curitiba, região metropolitana, estiagem, reservatórios, níveis, nível, saic, sanepar, rodízio, racionamento
Relatório de abrangência nacional aponta que o Paraná precisa investir R$ 3,3 bilhões em captação de água (Divulgação/Sanepar)

RODÍZIO DE ÁGUA EM CURITIBA SEM DATA PARA ACABAR

A Sanepar não projeta suspender o rodízio de abastecimento de água em Curitiba e região metropolitana até março de 2022. Segundo a Companhia, o déficit hídrico acumulado nos últimos anos não se resolve com dias ou semanas de chuvas intensas.

“As chuvas em outubro são excelentes, aliviam muitos sistemas no interior, mas não resolve a crise hídrica. Há um déficit hídrico e ainda temos um longo caminho até o fim do verão e a volta à normalidade”, afirmou no início do mês o diretor de Meio Ambiente e Ação Social, Julio Gonchorosky.

Procurada desde a semana passada pelo Paraná Portal, a Companhia de Saneamento do Paraná não disponibilizou um porta-voz para falar sobre a crise hídrica e o sistema de rodízio de abastecimento adotado Curitiba e região metropolitana.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="799528" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]