Saúde alerta municípios sobre validade de alimentos perecíveis

Andreza Rossini e assessoria

O Centro Estadual de Vigilância Sanitária, órgão da Secretaria de Estado da Saúde, alerta os municípios para que intensifiquem a fiscalização dos alimentos que chegam aos pontos comerciais. A medida é para assegurar que os produtos que ficaram retidos nas estradas devido à greve dos caminhoneiros cheguem ao destino final em boas condições para consumo.

Dependendo do tipo de produto, a demora pode comprometer a qualidade dos alimentos, tornando-os inadequados para consumo. “É preciso redobrar a atenção na hora de receber os produtos que ficaram mais tempo nas estradas do que o previsto. O trabalho das vigilâncias sanitárias dos municípios precisa ser intensificado para atender esses casos”, diz o diretor do Centro Estadual de Vigilância Sanitária, Paulo Costa Santana

Entre as medidas necessárias para garantir a qualidade dos produtos está a verificação da data de validade, integridade das embalagens e da temperatura de conservação dos alimentos perecíveis, indicados no rótulo dos produtos pelo fabricante. Os veículos transportadores de alimentos também devem apresentar Licença Sanitária e estar adequados para a manutenção higiênico-sanitária dos alimentos.

Comércios

Santana alerta ainda que os estabelecimentos comerciais devem verificar a qualidade dos produtos no momento da entrega, conferindo a integridade dos alimentos, prazo de validade e condições de conservação. No caso de congelados, o produto deve manter-se congelado durante todo o processo de transporte e comercialização. Se ocorrer o descongelamento, ele não pode ser congelado novamente.


Os consumidores também precisam ficar alertas à qualidade dos produtos vendidos, verificando o aspecto geral do alimento (coloração, odor, temperatura etc.), data de validade, integridade das embalagens e condições de armazenagem. Os alimentos com indicação de congelamento no rótulo, por exemplo, deverão estar expostos apenas nos balcões de congelados dos supermercados.

“Com esses cuidados, o risco de o consumidor levar para casa um produto impróprio para o consumo diminui sensivelmente. No caso de o consumidor encontrar algum problema, poderá fazer sua denúncia pelo telefone 156 ou entrar em contato com a vigilância sanitária dos municípios”, afirma Santana. Outro canal de comunicação do cidadão com a Saúde para denúncias ou informações é a ouvidoria, que pode ser acessada pelo 0800 644 4414.

Post anteriorPróximo post
Comentários de Facebook