Servidores do DNIT são alvos de operação que visa reprimir fraudes em obras

Servidores do DNIT e empresas responsáveis pela execução e supervisão de obras contratadas pelo órgão no Paraná são os alvos da Operação Rolo Compressor

10 de fevereiro de 2022, 09:00

Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Marcello Casal Jr./Agência Brasil

A Operação Rolo Compressor foi deflagrada pela PF (Polícia Federal), nesta quinta-feira (10), no Paraná e mais cinco estados para reprimir fraudes em obras públicas. 

Servidores públicos do DNIT e empresas responsáveis pela execução e supervisão de obras contratadas pelo órgão no Paraná são os alvos principais da operação. Foram expedidos mandado de prisão e mandados de busca e apreensão no Paraná, Mato Grosso, Santa Catarina, Distrito Federal, Minas Gerais e São Paulo.

A investigação, iniciada em 2015, diz respeito a fraudes em contratações e execução de obras públicas, incluindo superfaturamento, visando o desvio de recursos públicos, além de atos de corrupção e lavagem de dinheiro, com indícios de que o esquema criminoso funcionava há mais de uma década.

PREJUÍZO DE MAIS DE R$ 60 MILHÕES AOS COFRER PÚBLICOS

Em apenas um dos contratos sob investigação, com valor contratado superior a R$ 700 milhões, há constatação de prejuízo de mais de R$ 60 milhões para os cofres públicos, segundo auditoria da CGU.

As buscas envolvem 125 policiais em 26 locais, bem como a prisão de um dos investigados e o afastamento cautelar de 5 servidores públicos e bloqueio dos seus bens. Os mandados foram expedidos pela Justiça Federal em Curitiba.