Sindicato condena coação contra engenheiros no esquema da operação Quadro Negro

O Sindicato dos Engenheiros no Estado do Paraná (Senge-PR) divulgou nota em que "repudia veementemente os abusos sofrido..

Jordana Martinez - 17 de maio de 2018, 16:16

Foto: Wagner Araújo/Divulgação TCE-PR
Foto: Wagner Araújo/Divulgação TCE-PR

O Sindicato dos Engenheiros no Estado do Paraná (Senge-PR) divulgou nota em que "repudia veementemente os abusos sofridos pelos profissionais de engenharia da Secretaria de Educação do Paraná (Seed), retaliados ao se oporem à assinatura de relatórios e documentos falsificados".

Em delação, o dono da Construtora Valor, Eduardo Lopes, afirmou que engenheiros da secretaria costumavam ser “trocados” caso não assinassem documentos com medições falsas de obras para liberação de pagamento às construtoras.

Para receber os pagamentos, a construtora dependia da assinatura de engenheiros da Seed atestando o andamento das obras. Segundo o delator, os engenheiros se recusavam assinar quando “viam que a coisa estava totalmente fora”. Nestes casos, o profissional era “trocado” até que alguém aceitasse assinar.

No texto, o Senge condenou a prática, defendeu "a probidade e a ética no exercício da engenharia" e ressaltou a importância da "valorização dos engenheiros que atuam na iniciativa pública na fiscalização e acompanhamento de obras e infraestrutura".

Segundo o sindicato, o conteúdo da delação revela "as condições de precarização e de assédio constante que engenheiros vivenciam em várias esferas do poder público".

O Sindicato encerra a nota se colocando à disposição para possíveis denúncias.