Somente 77% do público-alvo tomou a vacina contra a gripe no Paraná

BandNews FM Curitiba

Crianças, gestantes e pessoas com doenças crônicas são as que menos tomaram vacina contra a gripe até agora. Apenas 77% do público-alvo da campanha de imunização foi vacinado. A meta é vacinar 90% desse público. O menor índice de cobertura vacinal é registrado entre crianças de 6 meses a 4 anos de idade: somente 60,5% das 659 mil crianças que deveriam receber a vacina foram imunizadas.

Entre as gestantes, das 116 mil apenas 72 mil tomaram a vacina. E das 739 mil doses de vacina disponibilizadas para pessoas com doenças crônicas, pouco mais da metade foi aplicada. O grupo com maior alcance de vacinação é o de pessoas com mais de 60 anos. Mais de 1 milhão de doses da vacina foram aplicadas. Ainda assim, esse número representa 88,5% do total previsto – abaixo da meta a ser atingida.

É possível que entre o grupo prioritário haja pessoas que buscam a vacina na rede particular – e por isso não aparecem nos índices do Estado. Mas o diretor do centro estadual de epidemiologia, João Luis Crivellaro, acredita que de modo geral muitos ainda não se vacinaram de fato.

“Acreditamos que muitas pessoas tem buscado serviços particulares, mas ainda tem muita gente para tomar vacina. Acredito que os responsáveis precisam levar os filhos, assim vão estar protegendo os próprios filhos e outras pessoas também”, afirmou.


O único grupo que foi 100% imunizado é o de população indígena. Segundo a Secretaria da Saúde, foram aplicadas 16 mil doses da vacina a este segmento no Estado. No Brasil, o índice de cobertura deste público é de 63%.

Nas Regionais de Saúde do Paraná, apenas duas ultrapassaram a meta de 90% de alcance do público-alvo, estipulada pela Secretaria da Saúde. A regional de Jacarezinho, com 95%, e de Irati, com 90,6%. Entre as regionais com menores índices está a de Paranaguá, com 62,3%. As demais regionais ultrapassam 70% de cobertura vacinal. Segundo o último boletim da Secretaria Estadual da Saúde, 14 pessoas morreram por causa de gripe desde o início do ano.

Crivellaro destaca que entre as mortes, há pacientes que faziam parte do grupo prioritário, mas que não tinham se vacinado.

“Desses 14 óbitos muitos deles não tinham tomado a vacina e fazem parte do grupo prioritário. Tiveram idosos e pessoas com obesidade, com orientação de tomar”, disse.

O fim da campanha de vacinação contra a gripe foi adiado para o dia 15 de junho. Prevista para terminar no dia 1º, a iniciativa já havia sido prorrogada até o dia 9 e ganhou um novo prazo depois da paralisação de caminhoneiros nas estradas no país. Segundo o Ministério da Saúde, a prorrogação se aplica a todos os Estados, também devido aos índices nacionais de cobertura vacinal.

Não existe indicativo de que uma nova prorrogação seja feita.

A média nacional de cobertura vacinal é de 66%. Para tomar a vacina contra a gripe, basta ir a uma unidade de saúde e apresentar um documento oficial. Em alguns casos, é necessário apresentar também um documento que comprove que o usuário se enquadra em algum dos públicos alvos definidos pelo Ministério da Saúde.

O público que pode tomar a vacina gratuita é formado por crianças de 6 meses até completar 5 anos; idosos com 60 anos ou mais; pessoas com doenças crônicas não-transmissíveis; gestantes; mulheres em pós-parto, até 45 dias após o nascimento do bebê; trabalhadores da saúde; professores e população indígena.

Post anteriorPróximo post
Comentários de Facebook