Tartarugas gigantes podem ter sido mortas por pesca industrial

CBN Curitiba


 

Sete tartarugas-de-couro, conhecidas como tartarugas gigantes, foram encontradas mortas nas últimas duas semanas no Litoral do Paraná. Somente nesta quinta-feira (22), três animais da espécie extremamente ameaçada de extinção foram encontradas encalhadas em praias do Estado. O Ibama foi notificado e deve investigar as causas da ocorrência incomum na região.

Maior espécie em todo mundo, a cada mil filhotes de tartaruga de couro que nascem, apenas um, em média, chega à vida adulta, medindo até 2 metros de comprimento e 500 quilos.

A bióloga Camila Domit, do Centro de Estudos do Mar da Universidade Federal do Paraná, acredita os animais tenham sido atraídos para perto da costa paranaense por correntes marítimas mais quentes e que trouxeram também alimento para estes animais marinhos.

Ao chegarem perto da costa, as tartarugas também se aproximaram das embarcações de pesca. Camila explica que a morte dos animais pode ter sido causada pela chamada pesca não intencional.

Órgãos ambientais de São Paulo e Santa Catarina também encontraram tartarugas mortas nessas últimas duas semanas de novembro. Além da tartaruga gigante, outras espécies também tem sofrido com o encontro com pescadores.

Embarcações de arrasto e pesca industrial devem ser registradas e ordenadas pela Secretaria Especial de Pesca, e acompanhadas pelo Ibama, Polícia Ambiental e Instituto Ambiental do Paraná. O registro da pesca é feito por associações e agremiações nacionais. Camila Domit explica que falta integração entre órgãos ambientais e produtivos, mas que uma consciência ambiental da sociedade também é fundamental para a preservação das espécies.

Cada tartaruga gigante leva 20 anos para crescer, em média. Os sete animais mortos encontrados no Paraná vão passar por necropsia. As tartarugas gigantes foram encontradas na Praia de Coroados, em Guaratuba e ao longo da orla entre Matinhos e Pontal do Paraná.

 

Previous ArticleNext Article