Temporal no Paraná matou duas pessoas e atingiu mais de 35 mil, diz Defesa Civil

Redação

temporal paraná defesa civil

A tempestade registrada no último fim de semana atingiu 35.091 mil pessoas e deixou 7.782 casas danificadas no Paraná, de acordo com a Coordenadoria Estadual da Defesa Civil (Cedec). Duas pessoas morreram: uma foi atingida por descarga elétrica em Foz do Iguaçu e outra por uma árvore em Londrina. Segundo os dados repassados pelo governo estadual, os ventos passaram de 70 km/h e causou danos em 69 municípios, especialmente nas regiões Oeste e Noroeste. No balanço final, 714 ficaram desalojadas e 17 desabrigadas.

Com o objetivo de amenizar o impacto dos estragos, a Defesa Civil do Paraná envia desde sábado (23) materiais para as regiões atingidas. Já foram distribuídas 300 lonas, 15 mil telhas, além de colchões e cobertores. Os itens representam cerca de R$ 400 mil em insumos direcionados para os municípios paranaenses.

O governo federal liberou recursos para Japurá no valor de R$ 172.750,00, para compra de outros itens de ajuda humanitária. Mais aportes deverão ser destinados às cidades atingidas pelo temporal, conforme o preenchimento adequado das documentações por parte dos prefeitos. A missão, através do grupo de apoio ao desastre, vai facilitar o reconhecimento federal de situação de emergência e a liberação de recursos para as cidades afetadas.

“Além do apoio a Japurá, atenderemos Indianópolis e Rondon. Há, ainda, uma equipe na região de Foz do Iguaçu, analisando os municípios do entorno. O nosso objetivo é socorrer os paranaenses com a maior brevidade possível”, disse o secretário nacional de Proteção e Defesa Civil, Alexandre Lucas Alves.

CIDADES DO PARANÁ ATINGIDAS COM TEMPORAL

Os municípios atingidos com a tempestade foram Alto Paraíso, Alvorada do Sul, Ângulo, Assis Chateaubriand, Astorga, Barracão, Braganey, Cafeara, Cascavel, Centenário do Sul, Céu Azul, Corumbataí do Sul, Cruzeiro do Oeste, Diamante do Oeste, Farol, Flórida, Foz do Iguaçu, Francisco Alves, Goioerê, Guaraci, Guaraqueçaba, Guaratuba, Ibiporã, Iguaraçu, Inajá, Indianópolis, Itaipulândia, Itaúna do Sul, Jacarezinho, Jaguapitã, Japurá, Jardim Olinda, Lidianópolis, Londrina, Lupionópolis, Mandaguaçu, Maringá, Matelândia, Medianeira, Moreira Sales, Nossa Senhora das Graças e Nova Olímpia.

As chuvas também causaram estragos em Ourizona, Paraíso do Norte, Paranacity, Paranavaí, Pato Bragado, Pérola, Querência do Norte, Ramilândia, Rondon, Santa Cruz do Monte Castelo, Santa Helena, Santa Tereza do Oeste, Santa Terezinha de Itaipu, Santo Antônio do Paraíso, Santo Inácio, São Carlos do Ivaí, São João do Ivaí, São Jorge do Ivaí, São Jorge do Oeste, São Jorge do Patrocínio, São Miguel do Iguaçu, Terra Rica, Terra Roxa, Tupãssi, Umuarama, Vera Cruz do Oeste e Xambrê.

COPEL TENTA NORMALIZAR A ENERGIA ELÉTRICA NO ESTADO

As equipes da Copel (Companhia de Energia do Paraná) e da Sanepar (Companhia de Saneamento do Paraná) estão mobilizadas em uma força-tarefa para garantir a normalização da energia elétrica e da distribuição de água nos municípios após o temporal. Os serviços estão próximos de estar totalmente normalizados.

Pela Copel, mais de 2 mil eletricistas foram mobilizados para o enfrentamento da situação, que causou o desligamento de 1,2 milhão de unidades consumidoras. Técnicos das regiões menos atingidas somaram esforços aos trabalhadores locais de emergência, manutenção e obras.

Desde a tarde desta terça-feira (26), os técnicos da Companhia reduziram em mais 40% o número de unidades consumidoras que estavam desligadas. Já foram registrados mais de 1.600 postes quebrados em diversos municípios. Os trabalhos prosseguem para buscar a normalização dos serviços para 12 mil imóveis que continuam desligados, dos quais 9 mil estão localizados na região Noroeste do Estado.

De acordo com a Copel, este temporal foi o mais grave evento climático já enfrentado no interior do Estado. A tempestade do último fim de semana só não foi mais intenso que o ciclone-bomba ocorrido na região Leste, em junho de 2020.

Quanto à distribuição de água, a maioria das cidades que tiveram o abastecimento prejudicado por falta de energia elétrica já está com o sistema operando normalmente. Apenas em alguns municípios localizados no Oeste e Noroeste do Estado ainda é preciso utilizar caminhões-pipas e geradores de energia alugados para garantir água para a população.

No Oeste, seguem sem energia os sistemas de abastecimento dos distritos de Mato Queimado e Guaporé, em Guaraniaçu; e distrito de São Judas Tadeu, em São Pedro do Iguaçu. No município de Céu Azul voltou a energia na manhã desta quarta.

No Noroeste, continuam sem energia os distritos de Nova Jerusalém, em Umuarama; e o distrito de Santa Felicidade, no município de Tapira. Uma das unidades de produção de água da cidade de Tapira permanece sem energia. Contudo, equipes da Sanepar trabalham na recuperação do sistema e em manobras para assegurar a distribuição de água.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="799764" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]