TJ confirma absolvições dos 13 policiais do caso Rotam

Lucian Pichetti - CBN Curitiba


O Tribunal de Justiça do Paraná confirmou, por unanimidade, as absolvições dos 13 policiais militares da Rotam. Eles foram absolvidos em 9 de outubro de 2017 da acusação de executar cinco assaltantes no ano de 2009, durante uma perseguição policial que ficou conhecida como “Perseguição do Alto da Glória”.

O julgamento do recurso do Ministério Público do Paraná foi na tarde de ontem (26) e o acórdão deve ser publicado entre hoje (27) e segunda-feira (30).

Entre as provas apresentadas pela promotoria estavam localizadores das viaturas, que mostravam o deslocamento dos policiais após a perseguição. Imagens de câmeras também apontavam um dos suspeitos – ainda vivo -, entrando em uma viatura depois da perseguição. A defesa dos policiais sustentou que não houve intimidação ou pressão aos jurados durante o júri popular e que os suspeitos haviam cometido cinco assaltos antes de furarem um bloqueio policial.

Durante a perseguição, eles baterem com o veículo roubado em fuga no Alto da Glória, onde, segundo a defesa, houve um confronto que terminou na morte dos suspeitos. Dois deles tinham antecedentes criminais. As investigações do caso foram feitas pelo Gaeco, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado.

O advogado de defesa dos policiais, Claudio Dalledone Junior, afirmou em nota que a confirmação das absolvições reforça a premissa de que a decisão do Conselho de Sentença é soberana.

Considerado um dos maiores júris populares da história do Paraná, o Caso Rotam durou seis dias, reunindo dezenas de testemunhas e sessões plenárias que chegavam a durar até 14h.

Previous ArticleNext Article