TJ decreta prisão preventiva de pastor acusado de abusar da própria filha

Fernando Garcel

O Tribunal de Justiça (TJ) atendeu ao recurso do Ministério Público do Paraná (MPPR), por meio da Promotoria de Justiça de Arapoti, nos Campos Gerais, e decretou a prisão preventiva de um homem acusado de estuprar a filha, com oito anos de idade na época, em 2017.

O pedido de prisão preventiva havia sido indeferido pela primeira instância, mas foi revisto pela 5ª Câmara Criminal do TJ e a prisão preventiva já está decretada.

Segundo o MPPR, o acusado foi denunciado no mês passado pela prática do crime de estupro de vulnerável majorado e é considerado foragido da Justiça. Ele foi pastor evangélico em Arapoti durante alguns anos, sendo transferido, no final de 2017, para outra cidade.

De acordo com as investigações, no momento do crime, estavam no local, além da vítima e do réu, o irmão da criança, com dez anos de idade, e a mãe. Após o ocorrido, a família encaminhou a criança a um hospital de Ponta Grossa, onde foi registrado boletim de ocorrência e iniciada investigação pelo Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria).


Após a realização de várias diligências, como avaliações psicológicas, colheita de depoimentos, perícias, laudos morfológicos, exame de DNA e interceptações telefônicas, a Promotoria de Justiça concluiu existirem indícios suficientes que demonstram ser o pai o autor do crime.

Leia também:

Post anteriorPróximo post
Comentários de Facebook