Toque de recolher do governo do Paraná não vale na virada do Ano Novo 2021

Redação

toque de recolher paraná ano novo 2021

O toque de recolher, entre às 23h e 5h, não vale para o Paraná nesta quinta-feira (31), dia da virada do Ano Novo 2021. A determinação consta no decreto do governo estadual publicado nesta semana.

A regra é simples: apenas pessoas da área de Saúde, Segurança ou delivery (remédios ou alimentos) podem circular entre 23h da noite até às 5h da madrugada do dia seguinte. Contudo, a administração relevou a norma para a festa do Réveillon.

“Excepcionalmente, na passagem do dia 31 de dezembro de 2020 para o dia 1º de janeiro de 2021, as medidas dispostas não se aplicam”, afirma o decreto assinado pelo governador Ratinho Junior (PSD).

O que segue proibido, no entanto, são as realizações de festas ou eventos com mais de 10 pessoas (crianças de até 14 anos não entram no cálculo) no Réveillon.

As medidas que ajudam no combate ao coronavírus, como uso de máscara, distanciamento social e uso de álcool gel, também são recomendadas.

TOQUE DE RECOLHER SURTIU EFEITO NO PARANÁ

A avaliação do governo estadual é que a medida, imposta no início de dezembro, teve resultado positivo. A principal intenção do toque de recolher é evitar acidentes que ocupem UTIs (Unidades de Terapia Intensiva). Quando se diminui esse tipo de atendimento, aumenta a oferta para a demanda do coronavírus.

Segundo o secretário da Saúde Beto Preto, o toque de recolher resultou na queda de 35% dos acidentes que necessitariam de atendimento nos hospitais.

NÚMEROS DA COVID-19 EM 2020

O Paraná encerrou 2020 com 413.412 casos e 7.912 mortes por coronavírus. Segundo o último boletim da Sesa (Secretaria de Estado da Saúde), a taxa de letalidade da doença é de 2%.

Dos mais de 400 mil infectados, 305.194 pessoas foram liberadas do tratamento e são consideradas recuperadas. Isso significa 74% do total dos casos confirmaos conseguiu superar a covid-19.

O dia que antecede o Ano Novo 2021 tem 1.588 pacientes internados com diagnóstico da doença. Destes, 773 ocupam leitos de UTI enquanto 815 estão em leitos enfermaria.

O boletim também aponta que o Estado está com 82% das UTIs exclusivas para covid-19 ocupadas. O pior indicador vem da região leste, que engloba Curitiba, onde 85% das vagas estão indisponíveis.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="736653" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]