“Tem gente que não sabe se o parente está vivo ou morto”, diz tio de vítima de tragédia na BR-376

Mirian Villa

ônibus motorista acidente br-376 paraná guaratuba

“Tem gente no nosso estado [Pará] que não sabe se o parente está vivo ou morto”, contou Pedro Pereira Marcos, tio de uma das vítimas fatais da tragédia na BR-376, em Guaratuba.

Ele veio da Região Norte do país, com uma passagem de avião comprada através de uma ‘vakinha’, como representante dos diversos familiares dos passageiros do ônibus de turismo que se envolveu em um acidente na manhã de segunda-feira (25), no litoral do Paraná.

“Nós ficamos sabendo através da imprensa…quando a gente viu que era o mesmo ônibus, a gente começou a entrar em contato, mas o número que a gente tinha da empresa mudou. Eu vim para cá ontem porque não tinha notícia de ninguém. Vim de avião, fizemos uma coleta e também fizemos uma rede para ver quem são os familiares”, detalhou os momentos vivenciados após tomar conhecimento da tragédia.

Pedro é tio de João Paulo Ferreira, de 19 anos, que estava atravessando o país em busca de condições melhores de trabalho em Santa Catarina. Ele contou que sua irmã foi levar o jovem no ponto de encontro com o ônibus da empresa TC Turismo em Ananiendua e no local, alguns passageiros perguntaram para o motorista sobre um possível problema mecânico.

“Ele disse que [o veículo] tinha condições de seguir viagem…mas ele relatou para à polícia que a questão do acidente foi uma falha mecânica, então era sinal de que não foi feito uma manutenção no ônibus, não foi feito uma revisão”, indagou o familiar.

Em depoimento prestado horas após o acidente, o motorista, de 67 anos, que saiu ileso da colisão, disse que notou problema nos freios após o início das curvas da Serra do Mar. “Ele disse que não conseguiu entrar na área de escape na rodovia e que quando notou, já era muito tarde”, conta o delegado plantonista de Guaratuba, Cristiano Quintas.

Apesar da empresa ter emitido uma nota (leia no final da matéria) dizendo que prestaria o suporte necessário para todos os familiares das vítimas da tragédia na BR-376, em Guaratuba, Pedro afirma que eles estão abandonados na capital paranaense.

“Até agora nenhum suporte, nem para as famílias que estão lá e nem para a gente que está aqui. Eles não tiveram coragem nem de dizer “vocês tem onde ficar aí?” porque a gente veio só com a passagem de ida”, relatou o tio de João, que afirmou que o desespero era enorme porque eles não tinham notícias no Pará.

TRAGÉDIA NA BR-376: ACIDENTE COM ÔNIBUS EM GUARATUBA DEIXA 19 MORTOS

Por volta das 8h30, um ônibus de turismo capotou na BR-376, em Guaratuba, no quilômetro 668, local conhecido como Curva da Santa. Equipes de resgate do Paraná e de Santa Catarina foram mobilizados para auxiliar na remoção das vítimas, que estavam em um local de difícil acesso, em um barranco às margens da rodovia.

De acordo com a PRF (Polícia Rodoviária Federal), 53 passageiros e dois motoristas estavam no veículo no momento da tragédia. Até a manhã desta terça-feira (26), foram registrados 19 óbitos, sete feridos graves, seis vítimas em estado moderado e 20 vítimas levemente feridas. Todas as vítimas foram encaminhadas para hospitais de Curitiba e Joinville.

NOTA DA EMPRESA TC PIRES DA CRUZ

A empresa TC Pires da Cruz, que tem sede em Ananindeua, emitiu uma nota afirmando que o ônibus deveria ter quatro passageiros a menos.

“Ainda não se sabe as causas do acidente e nem o número real de óbitos e feridos. O responsável pela TC Turismo está a caminho do local do acidente para prestar auxílio às vítimas. O ônibus que saiu de Belém na sexta-feira (22) às 18h com destino à Santa Catarina, foi fretado por uma terceira pessoa, responsável pelo grupo, que também estava no ônibus que capotou. De acordo com a lista de passageiros fornecida pelo contratante da viagem, haviam 50 pessoas (…) a TC Pires da Cruz informa que prestará todo apoio necessário às vítimas e familiares e não medirá esforços para amenizar a dor de cada um dos paraenses envolvidos no acidente, assim como a dos seus entes queridos, neste momento tão difícil para todos.”

*com informações da Band TV Curitiba;

Previous ArticleNext Article