UFPR suspende vestibular após fracasso no concurso da Polícia Civil do Paraná

Vinicius Cordeiro

ufpr vestibular concurso pcpr concurso polícia civil

Sob justificativa de “desafios logísticos”, o vestibular da UFPR (Universidade Federal do Paraná) está suspenso. A decisão foi tomada pelo conselho da Universidade em reunião nesta segunda-feira (22), um dia após o fracasso do Núcleo de Concursos (NC) no concurso da Polícia Civil do Paraná.

A prova objetiva da primeira fase estava marcada para o próximo domingo (28). A data original (dia 18 de outubro) já tinha sido alterada, em maio de 2020, por conta da pandemia de coronavírus.

A nova data do vestibular da UFPR será divulgada até a próxima quarta-feira (24). No entanto, a divulgação dos resultados segue mantida para o dia 4 de junho.

A UFPR, por meio de seu Núcleo de Concursos, comunica a todos os/as candidatos/as do Processo Seletivo VESTIBULAR da UFPR, o adiamento da data da
primeira prova, inicialmente prevista para o próximo dia 28 de fevereiro. Tal decisão decorre da substituição, ocorrida na data de ontem, da coordenação geral do Núcleo de Concursos, bem como da necessidade do cumprimento de todos os desafios logísticos envolvidos, sobretudo em atenção ao atual estado de pandemia, para assegurar, sem margens de dúvidas, a segurança das provas e a saúde dos candidatos e do pessoal envolvido na sua aplicação”, afirma a UFPR.

Datas do vestibular UFPR 2020/2021:

  • Provas da primeira fase – sem data até a próxima quarta-feira (24).
  • Provas da segunda fase – 24 de março 2021.
  • Redação e provas específicas – 18 e 19 de abril de 2021.
  • Resultados – 4 de junho.

Ou seja, a segunda fase e as provas específicas, além da redação, também estão mantidas. Segundo a UFPR, 30.734 pessoas estão inscritas no vestibular 2020/2021.

UFPR ADIA VESTIBULAR APÓS FALHA NO CONCURSO DA POLÍCIA CIVIL

O governo do Paraná contratou o Núcleo de Concursos da UFPR para a realização do concurso da Polícia Civil. O contrato tinha valor estimado em cerca de R$ 4,8 milhões para concurso com até 70 mil candidatos. Já que haviam 106.506 mil inscritos, o governo estadual deveria pagar pelo menos R$ 60. Ou seja, o negócio superou a casa dos R$ 7 milhões.

O concurso estava marcado para às 13h30 deste domingo, mas foi cancelado às 5h42 da madrugada. O NC publicou nota justificando a suspensão por problemas com o recebimentos de termômetros para medir a temperatura dos candidatos e também na quantidade de salas disponíveis. Eram previstos dezenas de espaços, em Curitiba e na Região Metropolitana, para o concurso da PCPR.

Além disso, de acordo com o edital, o concurso poderia ser adiado por causa da pandemia de covid-19. No entanto, o aviso deveria ser divulgado com 72 horas de antecedência.

Até o momento só se sabe que Altair Pivovar, então coordenador do NC da UFPR, foi exonerado. Por enquanto ele é substituído interinamente pelo professor Alexandre Trovon de Carvalho, mas que não pode assumir a função por já ter outro cargo na universidade.

RATINHO JUNIOR PEDE INVESTIGAÇÃO À PF E DEPUTADO QUER ABRIR CPI

A suspensão do concurso da Polícia Civil gera reações negativas de todo o governo do Paraná. O governador Ratinho Junior (PSD) disse que pedirá uma investigação da Polícia Federal sobre o caso. Ele já pediu para a CGE (Controladoria Geral do Estado do Paraná) abrir uma sindicância e garantiu que o governo estadual vai processar a UFPR administrativamente.

“Queremos entender se foi irresponsabilidade, incompetência ou se foi sabotagem contra os participantes do concurso e contra o governo do Estado”, disse ele.

Já o deputado Hussein Bakri (PSD), líder do Governo na Assembleia Legislativa, propôs a instalação de uma CPI para investigar a suspensão do concurso público. O parlamentar também considera que houve “incompetência, inconsequência ou má-fé”.

Por fim, a Polícia Civil aponta que houve quebra no contrato por parte da UFPR. Em entrevista coletiva, o delegado-geral da PCPR Silvio Jacob Rockembach cobrou transparência da UFPR e que a suspensão, da maneira com que foi feita, é um desrespeito aos candidatos.

“Não podemos admitir que uma Universidade Federal apenas reconheça falhas horas antes das aplicações das provas. Só quem fez concurso sabe o quanto é difícil para esses candidatos terem que se deslocar do Norte e Nordeste, muitos deles de ônibus e pediram dinheiro emprestado, para estar aqui. É um verdadeiro absurdo. É um prejuízo para o cofre público, mas acima tudo é um desrespeito ao ser humano. Se havia falhas, que nos tivessem chamado para uma conversa franca com antecedência”, afirmou.

A corporação ainda ressaltou que a data para a realização das provas do concurso da Polícia Civil do Paraná foi definida no dia 19 de novembro, por meio de edital publicado no Diário Oficial do Estado. A realização da segunda etapa, com o exame de conhecimentos específicos, estava programada para 11 de abril.

Ainda não há nova data para a realização do concurso.

Previous ArticleNext Article