Prefeitura de Curitiba vai recorrer da liminar que suspende o aumento das tarifas de ônibus

Vinicius Cordeiro

c7b9e9d1-9ee8-4f1a-989a-b43c5114020d

A Urbanização de Curitiba S.A (Urbs) vai recorrer da liminar que suspendeu o aumento da tarifa do ônibus em Curitiba e Região Metropolitana. A empresa responsável por administrar o transporte público na capital paranaense afirmou que vai manter, pelo menos por enquanto, a decisão da Justiça de hoje (27).

A passagem no transporte coletivo iria subir de R$ 4,25 para R$ 4,50 a partir da 00h desta quinta-feira (28).

Entretanto, o juiz Thiago Flôres Carvalho, da 2.ª Vara da Fazenda Pública, determinou que o valor atual deve se manter até o dia 25 de março. Caso o recurso da prefeitura seja acatado, será divulgado uma nova data para a mudança entrar em vigor.

LEIA TAMBÉM:

>>> Ação popular suspende aumento da tarifa do ônibus em Curitiba e Região Metropolitana 

>>> Greca anuncia como ‘milagre’ aumento da tarifa do transporte coletivo para R$ 4,50

A Urbs defende que o preço da passagem se manteve inalterado nos dois últimos anos e o reajuste aplicado foi menor do que a inflação (IPCA) no período – 5,8% contra 6,7%. Além disso, alega que a atualização do valor em Curitiba ficou abaixo da média dos reajustes feitos nas cidades brasileiras, de 8,7%, apenas este ano, segundo a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos.

Por fim, a administração municipal ainda ressalta que o aumento garante a sustentabilidade financeira do sistema e a continuidade do processo de melhoria do transporte coletivo da capital, cuja frota vem sendo renovada nos últimos dois anos.

De acordo com o magistrado, o reajuste da tarifa está acima da inflação e os passageiros não teriam tempo hábil para se habituar com a mudança. Em um vídeo no Facebook, o prefeito Rafael Greca (PNM) e o governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Júnior (PSD) anunciaram o aumento na última sexta-feira (22). Além disso, também foi levado em consideração uma ação civil pública do Ministério Público que pede a nulidade do contrato administrativo de concessão do transporte coletivo.

Previous ArticleNext Article