Volta às aulas Paraná: suposto termo de responsabilidade gera polêmica

Um suposto termo de responsabilidade que deve ser assinado por pais de alunos do Paraná gerou polêmica neste sábado (1º)..

Mirian Villa - 01 de agosto de 2020, 14:10

Reprodução
Reprodução

Um suposto termo de responsabilidade que deve ser assinado por pais de alunos do Paraná gerou polêmica neste sábado (1º), nas redes sociais. Isso aconteceu porque o modelo diz que os responsáveis estão cientes "do agravamento e dos riscos que envolvem o retorno às aulas presenciais, não podendo responsabilizar a instituição de ensino, bem como o Governo do Paraná por eventual contaminação ou desenvolvimento de Covid-19".

Nas redes sociais, o texto do documento causou insatisfação dos pais. Alguns afirmam que as crianças não podem voltar para às escolas antes da vacina. Outros alegaram que as aulas remotas são a maneira mais segura e pedem para que o ano letivo continue dessa forma.

Já a Seed (Secretaria de Estado da Educação do Paraná), diz que o documento é um esboço do termo de responsabilidade que os pais de alunos do Paraná devem assinar e que ele ainda irá passar por algumas alterações. "Não foi aprovado, é uma coisa que está em estudo", afirmou a assessoria de comunicação da Seed. O documento foi encaminhado para os membros do comitê.

O protocolo de volta às aulas no Paraná prevê uma consulta aos pais, com o objetivo de entender qual modelos os responsáveis se sentem mais seguros: presencial ou remoto.

"Nós vamos aplicar uma pesquisa para verificar a intenção da família em levar o aluno na aula presencial. Se a família entende que o aluno não deve retornar, essa vontade da família vai ser respeitada e o aluno continua o ano letivo de maneira remota", afirmou Gláucio Dias, diretor-geral da Seed.

Após grande repercussão nas redes sociais, a Seed divulgou que o documento é falso.

PROTOCOLO DE VOLTA ÀS AULAS NO PARANÁ

O protocolo, divulgado nesta semana pela Seed, prevê um distanciamento de 1,5m em todos os espaços. Além disso, será feita também a aferição de temperatura de todos que entrarem a escola, tendo como limite 37º.

Já os horários de entrada e saída devem ser redefinidos e intercalados, para evitar a aglomeração de pessoas e a circulação simultânea de grande número de alunos e nas áreas comuns. A compra de insumos, como álcool em gel, e EPIs, como máscara de proteção, está prevista.

Quando a data for definida pela Sesa, o protocolo prevê um retorno gradual, por faixa etária, na seguinte ordem:

  • Estudantes do 3º ano do Ensino Médio e 9º ano do Ensino Fundamental;
  • Estudantes do Ensino Médio;
  • Estudantes do Ensino Fundamental I e II;
  • Estudantes da Educação Infantil;

Leia aqui a versão correta, segundo a Seed, do 'Protocolo Segurança - Aulas Presenciais'!