Coluna Social
Compartilhar

Cidade insegura

O empresário Beto Madalosso teve seu restaurante Fornearia Copacabana, da Av. Iguaçu, na Água Verde, assaltado recenteme..

Ruy Barrozo - 21 de fevereiro de 2017, 00:08

O empresário Beto Madalosso teve seu restaurante Fornearia Copacabana, da Av. Iguaçu, na Água Verde, assaltado recentemente.

Indignado pela selvageria e falta de insegurança na cidade, Beto publicou um texto nas redes sociais, que acabou ganhando grande repercussão.

Confira o texto na íntegra.

16681840_1337280486348016_6207743691872412386_n

O governo é meu sócio.

Mais de trinta por cento de tudo que eu recebo vai pra ele (federal + estadual + municipal).

Só que o governo é aquele sócio folgado, que tem discurso bonito, fala em avanços tecnológicos, crescimento econômico, em segurança e qualidade de vida, mas, na pratica, não entrega metade do que promete.

O governo é meu sócio bon vivant e, enquanto eu ralo pra manter as contas em dia, ele anda de jatinho, carro blindado, e toma vinho francês nos eventos black tie.

Ele só lembra-se de mim se eu não pagar a sua parte - aquilo que ele chama de imposto.

Pra ele tá tranquilo, tá favorável.

Pra mim, nem tanto.

Essa madrugada a porta do meu restaurante foi arrombada.

Em três minutos um cara entrou e levou as duas gavetas do caixa.

Estou indignado.

Sinto vontade de ir atrás do meu sócio e pedir ressarcimento.

Será?

Não, deixe.

Eles estão cagando pra mim (e pra você).

A vida segue, tem que seguir.

Hoje é domingo, dia de trabalhar.

Aqui estamos nós, esperando nossos clientes com sorriso nos olhos, como se nada tivesse acontecido.

Como se ter uma porta arrombada fosse parte do cotidiano.

Pensando bem, acho que é.

Nas últimas semanas diversos donos de restaurante passaram pelo mesmo que eu.

"Cale a boca e trabalhe, Beto, não adianta reclamar".

Adianta sim.

Se cada um que passou pelo mesmo resolvesse falar ao invés de calar, teríamos mais chances.

Ah, e aí perguntam: mas qual é a solução?

Olha, não precisa ser um gênio pra saber que se tivéssemos mais viaturas circulando pelas ruas da cidade esse tipo de crime seria menos recorrente.

Pena que nossos sócios não têm verba pra isso.ruy.barrozo