Coluna Social
Compartilhar

RB Cultura

Centro Cultural Teatro Guaíra presta homenagem a artistas que resistiram à demolição do Teatro 13 de Maio.Ação de..

Ruy Barrozo - 17 de dezembro de 2016, 04:25

Centro Cultural Teatro Guaíra presta homenagem a artistas que resistiram à demolição do Teatro 13 de Maio.

Ação de artistas da cidade, em 1986, impediu que o prédio fosse demolido.

O Centro Cultural Teatro Guaíra presta homenagem à classe artística curitibana com o descerramento de placa comemorativa aos 30 anos do então Teatro 13 de maio, atualmente nominado Teatro Zé Maria.

A cerimônia será nesta sexta-feira, 16, às 17 horas, no saguão do Teatro, localizado na Rua 13 de Maio, 655.

“É o reconhecimento do Centro Cultural Teatro Guaíra ao Grupo 13 de Maio, à população, à imprensa de Curitiba e ao jurista Renê Ariel Dotti por esta importante conquista para a arte da cidade”, disse a diretora-presidente do CCTG, Monica Rischbieter.

O Grupo 13 de Maio é composto pela Tamanduá Produções Artísticas/Beto Bruel e Regina Bastos, NBP Produções/Nautílio Portela e Claudete Pereira Jorge (in memorian), M&S Produções/ Mário Schoemberger (in memorian) e Divinos Comediantes/Francisco Moura.

Histórico

A história do prédio onde está o Teatro Zé Maria começa no fim do século 19, quando ali foi instalada a fábrica de malhas e confecções da família Hoffman.

Antes de se tornar o atual auditório, o local foi também a Malharia Curitibana e a Fábrica do Samba.

Nos anos 1980, o edifício chamou a atenção do ator José Maria Santos.

Junto com outro ator, Irineu Adami, e com recursos da Associação dos Produtores de Espetáculos Teatrais do Paraná, do Serviço Nacional de Teatro, da Secretaria de Estado de Cultura e da Fundação Cultural de Curitiba foi construído no local o Teatro da Classe.

De 1983 a 1986, o teatro passou por altos e baixos devido à falta de público e recursos, ao aumento do aluguel do prédio e até mesmo à ausência temporária de José Maria Santos do teatro curitibano.

Foi neste período, o mais difícil do teatro, que os proprietários do imóvel decidiram vendê-lo e os compradores despejaram os ocupantes do prédio. Nesta época, o auditório já era chamado de Teatro 13 de Maio.

Depois da venda, foi iniciada, sem aviso prévio, a demolição das paredes externas da construção.

A destruição completa foi impedida devido à intervenção da classe artística e de políticos do estado.

O prédio foi então tombado pelo Governo do Estado e foi feito o projeto de revitalização do espaço.

Apesar de as obras terem sido começadas, foi após o falecimento do ator José Maria Santos, em 1990, que houve mobilização para transformar o espaço.

Oito anos mais tarde, em 27 de junho de 1998, o Teatro José Maria Santos foi inaugurado sob administração do Centro Cultural Teatro Guaíra, e passou a fazer parte do cenário cultural paranaense.

Em 2016 passou a ser chamado de Teatro Zé Maria.ruy.barrozo