Coluna Social
Compartilhar

RB| E o inverno chegou

Inverno entra frio e sem chuvas.O inverno começa às 07h07 desta quinta-feira – 21 de junho – e termina às 22h54 d..

Ruy Barrozo - 22 de junho de 2018, 23:06

Inverno entra frio e sem chuvas.

O inverno começa às 07h07 desta quinta-feira – 21 de junho – e termina às 22h54 de 22 de setembro.

No primeiro dia no Paraná o tempo fica nublado com as temperaturas variando entre 8º C e 26º C.

As menores temperaturas ocorrem na Capital e na Região Central.

Já as maiores temperaturas verificam-se na Região Noroeste.

Na sexta-feira as temperaturas sobem um pouco em todas as regiões – exceto no Sul onde podem cair ligeiramente.

Segundo a previsão do Simepar, não deve chover no primeiro dia deste inverno.

Há condições para formação de nevoeiros entre os Campos Gerais e a Região Metropolitana de Curitiba, que devem perder força durante a manhã.

À tarde o sol predomina em todas as regiões.

Na sexta-feira uma frente fria de fraca atividade aproxima-se do Paraná, aumentando as nuvens na Região Sul, o que favorece a ocorrência de chuvas fracas pontuais.

No sábado o tempo fica estável.

No domingo outra frente fria avança pelo Sul do país, causando instabilidade. Estão previstas chuvas para todas as regiões paranaenses no início da semana, mas o tempo deve melhorar a partir de quarta-feira.

Chuvas

No Paraná há entre 40% e 45% de probabilidade de que o inverno seja menos chuvoso do que o normal.

Segundo o meteorologista do Simepar, Cezar Duquia, "as chuvas devem distribuir-se próximas à média histórica".

A maioria dos modelos meteorológicos indica a neutralidade do fenômeno El Niño durante o inverno.

A análise dos modelos do Instituto Nacional de Meteorologia - INMET sugere ocorrência de chuvas abaixo da normalidade no Sul do Brasil.

A base de dados sobre o inverno paranaense apresenta baixos volumes de chuvas.

As médias acumuladas mensais variam de 80 mm a 100 mm ao longo do Vale do Paranapanema e de 140 mm a 180 mm no Sudoeste em junho.

Outros meses

Julho costuma ser menos chuvoso, variando de 40 mm a 50 mm no Norte e de 100 mm a 140 mm no Sudoeste.

Em agosto, a variação é de 60 mm a 80 mm no Norte e de 110 mm a 140 mm no Sudoeste.

Em setembro, os volumes ficam entre 80 mm e 100 mm numa estreita faixa ao longo da bacia do médio e alto Paranapanema até uma área de 140 mm a 180 mm no Sudoeste.

Temperaturas

"As temperaturas neste inverno devem seguir a tendência da normalidade, ao contrário do ano anterior quando ficaram acima da média", informa Duquia. Historicamente em junho os menores valores médios mensais variam de 10º C a 12º C no Sul e de 16º C a 18º C no Noroeste do Estado.

Em julho, costumam ficar entre 8º C e 10º C no Sul e entre 16º C a 18º C no Noroeste.

Em agosto, situam-se entre 12º C e 14º C no Sul e 18º C a 20º C ao longo do Vale do Paranapanema.

Em setembro, as temperaturas passam a elevar-se naturalmente, variando de 14 o C a 16º C no Sul e de 18º C a 20º C no Norte.

Os registros históricos de baixas temperaturas mais expressivos são de Palmas, no Sul do Estado, aonde a temperatura mínima absoluta chegou a -8,2º C em junho de 1967, -8,5º C em julho de 1963, -8,9º C em agosto de 1963 e -5,7º C em setembro de 1964.

Dados do INMET indicam baixas temperaturas em junho de 1967 em Ponta Grossa (-5,7º C) e Londrina (-2,8º C), setembro de 1972 em CWB (-5,4º C), agosto de 1984 em Maringá (-0,2º C) e julho de 1971 em Paranaguá (-0,1º C). Instalada em 1997, a rede de estações meteorológicas automáticas do Simepar aponta as temperaturas mais baixas em julho de 2000 e 2013.

Em 17 de julho de 2000 foram registradas -2,6º C em CWB, -1,3º C em Londrina, -2,9º C em Cascavel e -4,1º C em Ponta Grossa.

Em 24 de julho de 2013 foram registradas -0,5º C em Maringá e 4,8º C em Ponta Grossa.

Geadas

"Durante o inverno, as geadas são mais frequentes em junho e julho nas regiões Sul e Central, apesar de alcançarem até vales ao leste da Serra do Mar", explica Duquia.

O Simepar e o Instituto Agronômico do Paraná - IAPAR mantêm o serviço gratuito Alerta Geada, que emite previsões com antecedência de 48 e 24 horas. Ao receberem as mensagens em tempo hábil, os produtores rurais podem adotar medidas de proteção das lavouras, reduzindo o risco de perdas agrícolas.

Boletins são divulgados pelo Disque Geada 43 33914500, nas redes sociais e páginas www.simepar.br e www.iapar.br.

Agricultura

Segundo as pesquisadoras em agrometeorologia do IAPAR, Ângela Costa e Heverly Morais, o trigo semeado em abril e maio não apresentou bom desenvolvimento inicial em muitos locais do Paraná.

Devido à severa seca registrada nesses meses, seu stand foi desuniforme e houve baixa germinação das sementes.

No inverno, as chuvas e as baixas temperaturas favorecem o desenvolvimento normal da cultura com boa produtividade.

A cultura que mais sofreu com a seca foi o milho safrinha, pois estava na fase crítica de demanda hídrica, motivo pelo qual deve apresentar perdas de produtividade.

Neste início de inverno, o milho está em fase final de desenvolvimento.

Sua colheita deve ser iniciada em julho.

Os cafeeiros cultivados no Norte paranaense estão sujeitos a eventuais danos por geadas, devido à possibilidade de entradas de massas de ar polar de forte intensidade durante o inverno.

Os produtores devem acompanhar o serviço Alerta Geada a fim de proteger as mudas de até seis meses no campo e os viveiros de café.

"Esse serviço também pode ser utilizado por olericultores, visto que as hortaliças são muito sensíveis às geadas e devem ser protegidas mediante a ocorrência dessa intempérie climática", explicam as pesquisadoras.