Coluna Social
Compartilhar

RB| Editorial

Vale a pena ler o texto do advogado paranaense, radicado em São Paulo, Nelson Wilians, publicado como matéria de capa da..

Ruy Barrozo - 26 de dezembro de 2018, 23:55

Vale a pena ler o texto do advogado paranaense, radicado em São Paulo, Nelson Wilians, publicado como matéria de capa da revista Fobers Brasil.

Nelson Wilians, competente advogado, é CEO do Nelson Wilians Advogados Associados, com sede capital paulista.

 

Dicas de Sucesso aos Jovens.

“A coragem é a primeira das qualidades humanas porque garante todas às outras” – Aristóteles.

Toda vez que preciso falar ou escrever sobre minha trajetória, me sinto realmente muito desconfortável.

Sinceramente, ainda que não tenha a virtude da modéstia total.

Mas, nesses momentos que tenho que falar de minha trajetória com o auspicioso argumento que triunfei, lembro-me de minha mãe de pouquíssimo ou quase nenhum estudo e de uma frase que ela, incansável, repetia, e que me coloca no ‘prumo’: “não importa como um homem nasce e nem como vive, mas como termina a vida”.

Guardo isso comigo porque, vira e mexe, me faz refletir.

Até aqui, tenho tido sucesso na minha área de atuação.

Vim de uma família humilde de pequenos agricultores do interior do Paraná. Meus pais mal sabem ler e escrever.

Sem soberba, com 22 anos de idade estava andando de ônibus e levei um ano, após me formar, para comprar o primeiro carro, um Fiat Panorama. Antes dos 30, já estava comprando o meu segundo avião.

Ao contar minha experiência, porém, atrevo-me, de alguma forma, a querer contribuir para incentivar o crescimento profissional e despertar a vontade de empreender, nos mais jovens.

A ideia de escrever sobre minha experiência veio da capa dessa edição, junto de um pedido do editor.

Mais do que sorte, um conjunto de fatores contribuíram para que eu me tornasse uma pessoa realizada em minha profissão.

Vale uma ressalva aqui sobre o quesito sorte.

Como disse Nelson Rodrigues: “Sem sorte não se come nem um Chicabom. Você pode engasgar-se com o palito ou ser atropelado pela carrocinha".

Pois assim acredito.

Um pouco de sorte ajuda.

Porém, acredito mais em oportunidades.

E a vida nos abre algumas portas.

Se você perdeu uma oportunidade, fique atento para não perder a próxima. Porém, mais do que esperar é preciso criar a oportunidade.

Ou seja, algumas portas somente se abrem à medida que caminhamos.

E, para isso, antes de tudo é preciso coragem, a primeira das virtudes, que garante todas as outras, como sabiamente nos ensinou Aristóteles.

E o que diferencia a coragem da loucura, como costumo dizer, é o resultado.

É preciso coragem para empreender.

Isso é fundamental.

O salto em minha carreira veio de uma combinação de coragem e oportunidade.

Ao me formar, fui falar com o meu patrão, o Sr. Siegfried Karg, que queria ser contratado como advogado, não queria mais ser auxiliar de escritório.

Ele argumentou que a empresa era pequena e que não havia lugar para um advogado.

Então, pedi demissão.

Lembro do Sr. Siegfried ficar perplexo, porque ele sabia da minha situação, das minhas dificuldades financeiras.

Mas eu estava convicto de que precisava dar um salto.

E fiz isso porque um amigo que fez faculdade de Direito comigo era médico e trabalhava numa grande companhia até às 4 horas da tarde.

Ele tinha uma pequena sala em uma clínica.

E ele me permitiu usar o espaço no período em que estava trabalhando nessa grande companhia.

O engraçado era a reação das pessoas, que achavam que meu pai era médico.

No lugar tinha maca, estetoscópio...

Enfim, diversos aparatos médicos.

Hoje se fala muito numa rede de relacionamento.

Isso é, de fato, muito importante.

Construir relacionamentos.

Os meus primeiros clientes estavam ao meu redor: os médicos da clínica e seus respectivos pacientes que ora ou outra eram indicados.

Em pouco tempo, estava advogado para a maioria deles.

Obviamente, não tenho pretensão de fazer aqui um manual para empreendedores.

Tem muitos por aí e bons.

Mas passar algumas dicas de coisas que deram certo comigo.

A curiosidade está entre elas e é algo que me move, quero saber o máximo possível do que está ao meu redor e ocorrendo no mundo e em nosso tempo.

Obviamente, não poderia deixar de falar sobre valores.

Todas as profissões têm um código de conduta.

Valores fundamentais que precisam ser seguidos à risca.

Logo que comecei minhas atividades profissionais, um cliente bem-sucedido e de idade avançada me chamou de canto e disse: - “Vou falar uma coisa para você. Nunca prometa o que você não pode cumprir e nunca venda o que você não tem para entregar. Coloque isso em prática na sua vida, seja sempre muito sincero e será um homem bem-sucedido”.

Nada mais simples, nada mais fácil.

Precede os preceitos ‘éticos’ corporativos.

E funciona para enquadrar novas ideias e evitar problemas.

A vantagem disso é que você tem total controle sobre seu negócio.

O Brasil ainda está engatinhando quando o assunto é educação empreendedora.

Por isso, sou um dos que acreditam ser importante que os jovens participem de iniciativas que ensinem a prática e, assim, conseguir empreender com mais experiência.

O escritor Thomas Friedman, autor de “Obrigado pelo Atraso”, certa vez comentou que a vantagem competitiva mais importante para qualquer pessoa é se dispor a aprender a vida toda.

E ainda sugeriu a mães e pais que não perguntem ao seu filho “o que quer ser quando crescer?”.

A profissão não vai existir mais.

Apenas pergunte ao seu filho: “como você quer ser quando crescer?”.

Aproveitando a colocação de Friedman, deixo para os mais jovens refletirem: “como você quer ser?”.

De minha parte, digo: vá em frente, coragem.