Coluna Social
Compartilhar

RB| Partitura

Orquestra Sinfônica do Paraná apresenta o último concerto da Temporada 2018.Não é preciso ir à Londres.O concerto..

Ruy Barrozo - 04 de dezembro de 2018, 01:40

Orquestra Sinfônica do Paraná(OSP).
Curitiba, 11 de dezembro de 2017.
Foto: Kraw Penas/SEEC
Orquestra Sinfônica do Paraná(OSP). Curitiba, 11 de dezembro de 2017. Foto: Kraw Penas/SEEC

Orquestra Sinfônica do Paraná apresenta o último concerto da Temporada 2018.

Não é preciso ir à Londres.

O concerto Absolutely British, neste domingo, trará a música da Inglaterra para CWB.

No primeiro domingo de dezembro, às 10h30, a Orquestra Sinfônica do Paraná apresenta seu último concerto da Temporada 2018.

Com o nome Absolutely British, o concerto será regido pelo maestro convidado inglês Stefan Asbury e terá obras de dois compositores britânicos.

O programa começa com o Concerto para Viola e Orquestra, de Sir William Turner Walton.

A música foi originalmente composta para o violista Lionel Tertis, mas foi recusada por ele por conta de seu estilo moderno.

Após a estreia oficial em 1929 e a aclamação da crítica, Tertis voltou atrás e aceitou a peça.

No concerto da OSP, o papel da viola solo será de Alexandre Razera, paulista, com experiência em orquestra e como solista no Brasil e no mundo.

A segunda obra do concerto será Uma Sinfonia para Londres, de Ralph Vaughan Williams.

Segunda sinfonia do compositor, a música é um tributo à capital inglesa antes dos acontecimentos da Primeira Guerra Mundial.

De certa forma, a obra original, composta entre 1912 e 1913, era um registro sonoro da vida e da atmosfera londrina antes dos dois grandes conflitos que marcaram sua história.

O compositor, no entanto, a reescreveu várias vezes sendo a versão definitiva de 1936, poucos anos antes da Segunda Guerra Mundial.

A viagem à Inglaterra através da música proposta pela OSP fica completa com a presença do maestro convidado Stefan Asbury.

Regente honorário da Noord Netherlands Orkester, na Holanda, ele nasceu no Reino Unido e já trabalhou com orquestras na Inglaterra, China, Peru, Alemanha e Nova Zelândia.