Coluna Social
Compartilhar

RB Passeio guiado

Centro Cultural Teatro Guaíra agenda passeios para público conhecer bastidores e história.Visitantes percorrem do..

Ruy Barrozo - 10 de julho de 2016, 09:56

Centro Cultural Teatro Guaíra agenda passeios para público conhecer bastidores e história.

Visitantes percorrem dois dos maiores auditórios e conhecem a história e bastidores do teatro.

01-ok-Teatro Guaira

Pode ser feito durante o ano, em qualquer horário e é gratuito.

Este é o passeio guiado oferecido ao público pelo Centro Cultural Teatro Guaíra às instalações do prédio central.

As visitas devem ser agendadas.

De segunda a sexta, o setor de preservação e memória recebe grupos de estudantes, arquitetos e turistas para visitas que duram cerca de uma hora.

arquitetura-teatro

O trajeto começa pelo segundo balcão do auditório Bento Munhoz da Rocha Netto (Guairão), com a história de criação do Centro Cultural Teatro Guaíra. São apresentadas referências histórias, arquitetônicas e artísticas como do painel do artista paranaense Poty Lazzarotto, que está no frontão da entrada do Guairão.

cortina corta fogo

Em algumas visitas pode-se ver outra obra do artista, que é a pintura na cortina corta/fogo, que isola o palco do Guairão da plateia, mas nem sempre esta cortina está abaixada.

O passeio continua pela plateia, palco e coxias do Guairão e, em seguida, os visitantes são guiados para o auditório Salvador de Ferrante (Guairinha).

Fachada do Centro Cultural Teatro Guaíra em Curitiba_Imagem de Karin van der Broocke_Imagem 088

Durante o trajeto é apresentada a composição artística do CCTG, que são os corpos estáveis, e que inclui a Orquestra Sinfônica do Paraná, Balé Teatro Guaíra, Escola de Dança Teatro Guaíra e G2 Cia de Dança.

Estes grupos apresentam ao longo do ano concertos, balés e óperas e, para isto, são necessários figurinos e cenários, também feitos dentro do CCTG.

Há ainda montagens pontuais como as do Teatro de Comédia do Paraná e Festival de Bonecos, cujas produções também são feitas na casa.

guairinha

Em caso de grupos menores e de possibilidade de atendimento, a visita é estendida ao guarda-roupa do CCTG que reúne cerca de 30 mil peças (figurinos de balé, de ópera e peças para empréstimos).

O agendamento das visitas deve ser feito pelo email diart@cctg.pr.gov.br

Histórico

Em 1939 o Theatro Guayrá (onde hoje é a Biblioteca Pública do Paraná) foi demolido e, ao mesmo tempo, começou a campanha pela construção de um teatro oficial na cidade, liderada pela Academia Paranaense de Letras.

O projeto para a construção do teatro é escolhido no final dos anos 40 e a construção iniciada em 1952.

Nesta década, o Paraná experimenta o apogeu da economia do mate e na região norte o início da expansão cafeeira a partir do estado de São Paulo.

A economia em expansão aliada a um contexto político favorável, como foi o governo de Bento Munhoz da Rocha Netto, contribuíram para que a década de 50 seja para CWB um período de expressiva evolução cultural.

Além do Teatro Guaíra são idealizados outros tantos projetos, como  a Biblioteca Pública do Paraná e o Centro Cívico.

O projeto arquitetônico do atual Centro Cultural Teatro Guaíra é do engenheiro Rubens Meister/1922/2009, um dos precursores da arquitetura moderna no Paraná e um dos responsáveis pela implantação do curso de Arquitetura na UFPR, em 1962.

normal_Saguao_guairao___Imagem_139

Meister é também autor de prédios importantes como o Panteão dos Heróis da Lapa/1943, o auditório da Reitoria UFPR/1956, o Centro Politécnico/1956, o edifício Barão do Rio Branco/1958, a Prefeitura Municipal de Curitiba/1969, a Estação Rodoferroviária de Curitiba/1976, o Centro de Atividades do SESC da Esquina/1985 e a restauração do Palácio Avenida/1990.

A construção do Teatro Guaíra é iniciada em 1952 e em 1954 é inaugurado o primeiro de três auditórios que compõem o edifício: o auditório Salvador de Ferrante (Guairinha), onde em 1955 começam as apresentações dos espetáculos.

Salvador de Ferrante-painéis exposição Guairinha_05 11 14_©Karin van der Broocke (5)

O auditório Bento Munhoz da Rocha Netto (Guairão), cuja inauguração estava prevista para 1971, é inaugurado em dezembro de 1974, depois de ser reconstruído após um incêndio em abril de 1970, que o deixou substancialmente destruído.

Em 28 de agosto de 1975 é inaugurado o último auditório, o Glauco Flores de Sá Brito (Mini), completando o projeto do complexo cultural.

O espaço total dos auditórios passa a ser de 16.900 metros quadrados, com uma capacidade total de 2.757 lugares.

Teatro-guaira-04(1)ruy.barrozo