Coluna Social
Compartilhar

RB| Saúde

Dores no corpo pode ser reumatismo.Maior prevalência é entre as mulheres de 30 a 40 anos.Dores nos ossos, músculo..

Ruy Barrozo - 20 de maio de 2018, 02:45

Dores no corpo pode ser reumatismo.

Maior prevalência é entre as mulheres de 30 a 40 anos.

Dores nos ossos, músculos, articulações e tendões. Estes são alguns dos sintomas de quem sofre com o reumatismo.

Para conscientizar a população, no próximo dia 30 de outubro é celebrado o Dia Nacional de Luta contra a doença.

Existem mais de cem tipos de doenças reumáticas como a artrose, tendinite, bursite, lombalgia, gota, fibromialgia, e a artrite reumatoide que é a mais comum.

Segundo o médico reumatologista do Hospital Nossa Senhora das Graças HNSG, Sebastião Cezar Radominski, o reumatismo pode afetar todo o aparelho musculoesquelético, composto por ossos, articulações, músculos, ligamentos e tendões.

“Todas as dores e as alterações funcionais sem causa traumática são consideradas doenças reumáticas”, explica.

Os sintomas iniciais são dores nas articulações, principalmente quando for superior a seis semanas e estiver acompanhada de inchaço, calor ou dificuldade para movimentar as juntas, sobretudo ao acordar pela manhã.

Se o diagnóstico for descoberto nesses primeiros sinais e tiver um tratamento adequado, o paciente reumático pode levar uma vida normal, diminuindo assim os riscos da incapacidade física.

Dados do Ministério da Saúde revelam que 12 milhões de brasileiros possuem a doença, com maior prevalência entre as mulheres de 30 a 40 anos.

“Por esse motivo, elas devem ficar mais atentas a alguns fatores de risco, como idade avançada, obesidade, tabagismo, consumo de bebidas alcoólicas em excesso e ingestão de medicamentos que podem contribuir para o surgimento da doença”, afirma o especialista.

Consulta Médica e Prevenção

Durante a consulta o médico deverá aferir a pressão, ouvir o coração, pulmões, procurar linfonodos, examinar o abdome, procurar sinais de retenção de líquido e se necessário realizar o exame neurológico, testando sensibilidade, força muscular e reflexos.

“Os exames de sangue e de imagem permitirão ao médico confirmar o diagnóstico, determinar a gravidade da doença e programar o tratamento”, afirma a médica reumatologista do HNSG, Patrícia Martim.

De acordo com a reumatologista, a alimentação rica em cálcio desde a infância, e a prática de atividade física podem evitar a osteoporose.

“Já a osteoartrose pode ser prevenida evitando a obesidade e o sobrepeso”, explica a médica.

A fibromialgia e o reumatismos de partes moles podem ser prevenidos com a prática de exercícios aeróbicos e de alongamentos, ginástica laboral e adequação do ambiente de trabalho.

“Lembrando que parar de fumar também pode evitar a osteoporose e a artrite reumatóide”, ressalta a Dra. Patrícia.

Já o tratamento precoce das amigdalites com antibióticos adequados evitam a febre reumática.

“Por isto é importante levar crianças com dor de garganta e febre imediatamente ao pronto atendimento para avaliação médica”, orienta.

Tratamento

Para as pessoas que precisam de tratamento, a médica faz uma ressalva.

“O médico escolherá o melhor tratamento para cada tipo de doença reumática”. Os objetivos do tratamento são aliviar a dor, prevenir deformidades e no caso das doenças difusas do tecido conjuntivo evitar lesão permanente de órgãos alvos, como: rins e pulmões.

O tratamento se divide em terapia medicamentosa e não medicamentosa, tão importante quando o uso de medicamentos.

A terapia não medicamentosa inclui controle do peso, fisioterapia, atividade física e abolição do tabagismo.

“O cigarro piora o prognóstico de todas as doenças reumáticas. Em alguns casos a psicoterapia é uma importante ferramenta terapêutica”, enfatiza a médica.