Coluna Social
Compartilhar

RB| Segurança Pública

Em CWB está insustentável a sobrevivência e a paz de estabelecimentos de gastronomia e hospedagem, demais comerciantes c..

Ruy Barrozo - 26 de dezembro de 2018, 02:22

Em CWB está insustentável a sobrevivência e a paz de estabelecimentos de gastronomia e hospedagem, demais comerciantes com o “modus operandis” por parte de pessoas em situação de rua.

Recentemente aconteceu o estopim para popularizar esta crise que insistem em esconder, especialmente os órgãos públicos, pois tem mendigo (morador de rua) famoso e especialista em aterrorizar clientes em cafés, bares, restaurantes e hotéis da região central e Batel, inclusive com ameaças graves de morte, sempre foi chamada a polícia e ninguém faz ou fez nada, sorte que temos imagens deles nos ataques.

Não é de hoje que estamos alertando sobre essa situação e ataques, mas ninguém pede providências contra os ataques aos clientes e aos estabelecimentos, os paladinos só reclamam das reações aos agressores e se quer querem saber porque as vítimas reagiram à tanto transtornos que vivem destas pessoas que precisam da mão do estado e não só do empresário que já contribuí com impostos e taxas, além de às vezes ainda ajudar com prato de comida como dever de todo cristão, mas alguns não querem isso e sim o terror e tática do amedrontamento.

Até quando?

Queremos um plano de ação da Prefeitura ou dos órgãos públicos responsáveis para controlar esta situação caótica no Centro e contra nossos estabelecimentos da categoria e de outras atividades econômicas que vivem esse verdadeiro achaque, chantagem e até mesmo terror psicológico, pois estão afastando clientes e hóspedes, em resposta aumentaram os custos dos estabelecimentos que tiveram que contratar seguranças pra prevenir dos ataques propositais deles, mas outros não tem condições de segurança privada.

Queremos saber quais as providências serão tomadas pela prefeitura e órgãos da segurança Pública municipal e Estadual, principalmente quais as medidas preventivas que foram tomadas até hoje?

** Este texto é um desabafo de Fábio Agayo.