Coluna Social
Compartilhar

Você sabe gerenciar seus pensamentos?

Segundo Camilla Couto, orientadora emocional, gerenciar nossos pensamentos, desejos e opiniões é um passo importante par..

Ruy Barrozo - 22 de abril de 2018, 11:13

Segundo Camilla Couto, orientadora emocional, gerenciar nossos pensamentos, desejos e opiniões é um passo importante para a construção de relacionamentos saudáveis.

Saber gerenciar nossos pensamentos e diferenciar o que é nosso e o que nos faz agir por um sistema de crenças e julgamentos é uma chave importante que pode nos levar a relacionamentos mais saudáveis.

A opinião é da Orientadora Emocional para Mulheres, com foco em Relacionamentos, criadora/autora do Blog das Amarildas e fundadora do PAR - Programa Amarildas de Relacionamentos, Camilla Couto.

“Enquanto nos deixamos aprisionar por traumas e crenças limitantes, nos preocupando com a opinião dos outros sobre nós e o que fazemos, guardando mágoas de situações passadas, procurando nos adequar a padrões externos... Perdemos nossa essência e deixamos de dar valor aos nossos potenciais”, explica Camilla.

Ela enfatiza: “quando negligenciamos nossa própria verdade, tornamo-nos prisioneiras de uma série de fatores que são externos, mas que tomamos como se fossem regras auto impostas e verdades absolutas”.

O resultado é um cérebro esgotado e um coração sempre prestes a ser partido. Quando não olhamos para dentro, tornamo-nos excessivamente vulneráveis àquilo que o mundo externo nos apresenta.

E isso também vale para aqueles momentos em que nos empenhemos arduamente em julgar as ações, comportamentos e opiniões dos outros e até em querer mudá-los a fim de que alcancem nossas expectativas sobre como deveriam ser, agir, falar, pensar e se relacionar.

Para Camilla, esses esforços sempre são inúteis: “agradar a todos é algo impossível. Talvez até não agrademos a ninguém, mas jamais seremos genuinamente felizes se não formos fieis a nós mesmas e aos nossos valores e ideais”.

Segundo a orientadora, quando conseguimos nos libertar da importância que damos para as opiniões, ações e reações dos outros e nos conectamos com as nossas próprias, somos mais genuínas, mais autênticas.

E então, alcançar a felicidade (dentro e fora dos relacionamentos) se torna algo bem mais fácil.

Mas ela explica que, para isso, é preciso aprender a olhar para dentro, a separar o que é real, o que é uma criação da nossa imaginação e o que pegamos emprestado dos outros.

Ao pararmos com frequência para meditar sobre nossos pensamentos, comportamentos e sentimentos, detectamos verdades absolutas que não são tão verdades assim, mas são impostas pela sociedade, ou por alguém do nosso círculo familiar, ou são resquícios de traumas e vivências anteriores.

Sem o conhecimento das próprias questões, vivemos medos e sofrimentos que nem são nossos!

Por isso, a dica de Camilla é: “comece agora um processo de cura. Entenda sua mente e ouça o seu coração. O que é real? Perceba o que acontece de verdade e o que é simplesmente uma projeção de uma ideia que você assumiu como sua. O processo não é fácil e o primeiro passo é sempre questionar o que se sente ou pensa. Mas, acredite, é possível. Basta querer e persistir”.

Saiba mais: www.amarildas.com.br