Em prateleiras diferentes, Athletico e Atlético-MG se enfrentam com missão impossível

Athletico e Atlético-MG disputam hoje a grande final da Copa do Brasil 2021 em busca do bicameponato. Nesse torneio, amb..

Vinicius Cordeiro - 15 de dezembro de 2021, 12:16

(Avocado/Copa Do Brasil)
(Avocado/Copa Do Brasil)

Athletico e Atlético-MG disputam hoje a grande final da Copa do Brasil 2021 em busca do bicameponato. Nesse torneio, ambos têm histórias parecidas. O Furacão, campeão em 2019 com duas vitórias sobre o Internacional, ainda tem um vice em 2013 - quando foi derrotado pelo Flamengo. Já o Galo, campeão em 2014 sobre o rival Cruzeiro, perdeu a decisão de 2016 diante do Grêmio.

É nítido que a vantagem de 4 gols dos mineiros entra em qualquer aposta. É dever do torcedor rubro-negro acreditar, mas o discurso de Alberto Valentim já mostra o quão difícil é a missão. É responsabilidade do treinador incendiar o vestiário e fazer com que os atletas confiem na virada. Quantas vezes o impossível foi desafiado no futebol? Barcelona x PSG na Champions, Atlético-MG e Rosario na Conmebol de 95... São vários os casos, apesar das probabilidades serem mínimas.

No entanto, há de se pontuar dois clubes estão em prateleiras diferentes - o que não é demérito aos paranaenses. É notório que o Athletico está no grupo entre os seis principais clubes brasileiros. Inclusive, é a grande equipe do Sul do país hoje após tantas temporadas medíocres do Inter e o rebaixamento do Grêmio.

Apesar do título na Sul-Americana, vemos a diferença dos elencos. O clube com H tem uma gestão muito mais saudável: não paga salários astronômicos e nem fecha contratações absurdas. Muito pelo contrário: preza por negócios que possam render caixa no futuro, como foram os casos de Bruno Guimarães, Renan Lodi e Abner.

Além disso, os técnicos não estão no mesmo patamar. Também pelos investimentos do mecenas Rubens Menin (e seus pares), que colocaram o Galo no mesmo nível de Flamengo e Palmeiras. Com o estádio próprio, o Atlético certamente vai ampliar a força e se consolidar como um dos principais clubes de ponta no futebol brasileiro.

PROBLEMAS NA ESCALAÇÃO ENFRAQUECEM O ATHLETICO

As ausências de Thiago Heleno, suspenso, e Nikão, machucado, prejudicam ainda mais o cenário do Furacão. Valentim quebra a cabeça, mas é provável que Christian e Pedro Rocha entrem nos lugares.

Do outro lado, o Galo não deverá contar com Diego Costa, mas Cuca tem Eduardo Vargas e Nacho como opções. Nessas horas é perceptível a importância de um elenco melhor qualificado.

Mesmo com a mudança do Furacão na linha dos defensores, a diferença será a postura do time. Os jogadores precisam pressionar o adversário, o que não é o forte do Athletico. Isso pode acabar se tornando uma vantagem aos mineiros.

De resto, fica o aguardo pelo espetáculo das torcidas e o desejo para que não ocorram problemas de violência.