RB| Editorial

Ruy Barrozo

Trabalho, valores e dignidade fazem a diferença – ** Pedro Antônio Bernardi.

Quando a gente perde algum valor material ou dinheiro, perde-se relativamente pouco ou quase nada.

Quando ficamos doente, perdemos física e biologicamente muito e alguma propriedade anatômica preciosa e essencial.

Porém, quando perdemos a moral, a ética, o respeito e a dignidade aí, então, perdemos tudo e para sempre.


A lição textual em alta sonoridade da voz humana é do empresário e escritor Jayme Luiz Hansch, autor do livro Histórias de Jaluha, segunda edição ampliada.

Pessoalmente, cada vez que releio esta obra, medito, valorizo e aplico com mais intensidade no trabalho, na família e nas ações diuturnas os  sábios ensinamentos de Jayme Hansch.

Ele festejou 89 anos em 26/12/2018.

A seguir, transcrevo, sucintamente, lições que valem para os três tempos: ontem, hoje e amanhã, e para letrados e iletrados, graduados e subalternos, síndicos e zeladores de prédios e condomínios, provedores, pais e filhos, empreendedores e colaboradores, ricos e pobres, governantes e governados, sem distinção de credo, raça, cor, saúde, sexo e idade.

Corrupção e enganação: os maiores enganadores são aqueles que podem acabar com a corrupção e não o fazem.

Retidão: na passagem por este brasil e no mundo todo, só não encontramos e fazemos amigos se não formos honestos, leais e corretos.

Bondade: quem exorbita e se aproveita erradamente da inocência, humildade, simplicidade, modéstia e bondade do próximo pratica atos de covardia.

Ajudar o ser humano não é lei, dever, decreto, obrigação, mas são obras, atitudes, gestos e atos de bondade, caridade, solidariedade e fraternidade. Sublimes são as oportunidades e momentos em que se pode ajudar alguém que necessita de nossas habilidades, competências e gratuidade.

Confiança: as maiores garantias de bem viver entre duas ou mais pessoas são a confiança e a lealdade.

Entretanto, quando terminam a verdade e a confiabilidade, nem o verdadeiro amor resiste e sobrevive.

Saudade: a saudade não tem braços, mas aperta tanto o peito que faz doer até o coração, o pulmão e a alma.

Idade: o relógio do tempo não usa cordas, pilhas, baterias, mas anda depressa e não espera.

Quando pára, não tem conserto.

Por isso, ao passar pela estrada de vida em mão única ou em via dupla, deixe sempre boas recordações porque, por qualquer caminho temporal que andar passará somente uma vez.

Esperança: dia após dia seguro, prazeroso e próspero, alimentamos mais e mais novas expectativas e perspectivas.

A esperança é a espera de situações, cenários e horizontes melhores e mais promissores.

A espera é a realidade existencial e concreta.

Em suma, a realidade é a vida humana e transcendental.

Fundamentalmente, na vida terrena tudo passa e acaba.

Só ficam a saudade, a esperança, o afeto e o verdadeiro amor.

Bem da verdade e com absoluta certeza, no céu só levamos e vivemos o amor.

Pelo bem que fez e faz à humanidade, é hora de parabenizar, aplaudir e desejar vida longa e plena de bem estar ao ilustre escritor e aniversariante Jayme Luiz Hansch e à sua esposa Sulamy Silva Rosa, filha e genro do casal, netos e bisneta.

** Pedro Antônio Bernardi, jornalista, economista e professor –pedro.professor@gmail.com.

Post anteriorPróximo post
Ruy Barrozo
RUY BARROZO Ruy Barrozo é jornalista e publicitário, diretor da empresa Ruy Barrozo Comunicação e Marketing e promoter de grandes eventos. É colunista online do Paraná Portal, da revista Diference e do jornal Indústria & Comércio.
Comentários de Facebook