Coluna Social
Compartilhar

RB Música Clássica

Concertos da Orquestra Sinfônica do Paraná serão em homenagem à Academia Paranaense de Letras.Apresentações acont..

Ruy Barrozo - 30 de setembro de 2016, 21:09

Concertos da Orquestra Sinfônica do Paraná serão em homenagem à Academia Paranaense de Letras.

ANÚNCIO

Apresentações acontecem nos dias 24 às 20h30 e no dia 25 às 18 horas.

Regência será do maestro Benoît Fromanger com as participações dos solistas Paulo Torres e Marcelo Lemos da Silva, integrantes da OSP.

1OSPfotoFernandaCastro

ANÚNCIO

A Orquestra Sinfônica do Paraná - OSP fará dois concertos nos dias a 24 às 20h30 e 25 às 18 horas, em comemoração aos 80 anos da Academia Paranaense de Letras.

A regência será do maestro convidado Benoît Fromanger com as participações dos solistas Paulo Torres (violino) e Marcelo Lemos da Silva (viola).

Fromanger regeu a apresentação da OSP no último domingo, que lotou o Guairão, e será responsável pela condução dos concertos que inclui no programa três obras de Mozart: a abertura da ópera “Don Giovanni”, a Sinfonia concertante em mi bemol maior para violino, viola e orquestra, “K. 364” e a “Sinfonia n° 41, Júpiter, em dó maior”.

2ConcertoOSPfotoOrlandoKissner

O concerto encerra as atividades do Mês da Literatura, promovido pela Secretaria de Cultura do Paraná, iniciado em agosto, e comemora os 80 anos da Academia, criada em setembro de 1936.

Programa - Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) é o maior prodígio da história da música, que ganhou destaque ainda criança, aos cinco anos de idade. A genialidade precoce de Mozart resultou na enorme gama de obras que até hoje, 225 anos depois da sua morte, são as mais tocadas e conhecidas em todo o mundo.

3PauloTorresOSPfoto3FernandaCastro

A abertura de Don Giovanni foi composta na noite anterior da estreia da ópera, em 29 de outubro de 1787, em Praga/República Tcheca.

Após o ensaio geral, Mozart percebeu que a abertura ainda precisava ser escrita.

Então, o compositor pediu que Constanze, sua esposa, contasse histórias para mantê-lo acordado e para que pudesse terminar o trabalho.

É considerada obra prima do compositor.

4PauloTorresOSPfotoFernandaCastro

Esta abertura remete à cena da chegada do comendador Don Pedro, comandante de Sevilha e pai de Dona Anna, uma das vítimas de sedução de Don Giovanni.

Mozart compôs a Sinfonia Concertante em 1779 quando teve contato com a Orquestra de Mannheim, uma das melhores orquestras de seu tempo, durante viagem pela Europa.

Acredita-se que tal obra tenha sido destinada ao violinista Ignaz Fränzl, um dos músicos de orquestra.

A Sinfonia n° 41é o último trabalho de um conjunto de três sinfonias que Mozart compôs durante o verão de 1788.

Quanto ao subtítulo Júpiter, o mesmo não foi dado por Mozart, porém quem talvez tenha cunhado tal apelido, foi o empresário Johann Peter Salomon, em Londres.

Esta sinfonia abriu as portas para o romantismo musical.

5OSPfoto2FernandaCastro

Maestro

Benoît Fromanger é maestro titular da Orquestra Sinfônica de Bucareste/Romênia e reconhecido internacionalmente como um maestro de alto nível.

Vencedor do prêmio do conservatório de Paris, Benoît Fromanger começou a carreira musical como solista principal da Paris National Opera Orchestra.

Dez anos depois ele se mudou para Munique, onde se tornou o solista principal da ''Symphonic Orchester des Bayerisher Runfunks''.

Recentemente gravou a cantatas do compositor Thierry Machuel, na première mundial da gravação de Mel Bonist/1858 -1937, e começou a colaborar com a Sinfônica de Bucareste e com a companhia de CDS ''Le Chant de Linos''.

Solistas

Paulo Torres é violinista, maestro e professor. Ele é spalla da Orquestra Sinfônica do Estado do Paraná desde a fundação, em 1985,e ocupa o cargo de maestro adjunto da OSP desde 2004. Membro do Centro de Letras do Paraná, membro da Academia Paranaense de Letras, na qual ocupa a cadeira de Nº 16. Torres desempenha atualmente as funções de diretor musical e artístico da Sociedade Orquestra de Câmara Brasileira. Ocupa ainda os cargos de professor titular de violino da Escola de Música e Belas Artes do Paraná.

Marcelo Lemos da Silva é bacharel em viola pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná.

Atualmente é chefe de naipe/viola principal da Orquestra Sinfônica do Paraná e da Orquestra Sinfonia Brasil.

Foi também chefe de naipe da Orquestra de Câmara da PUC/PR e Orquestra de Câmara de Blumenau/SC.

Silva foi concertino da Amazonas Filarmônica durante o Festival de Ópera de Manaus.

Também foi professor substituto da graduação em viola da UDESC.ruy.barrozo