Gastronomia sexual

João Marcos


Sou fascinado pela gastronomia há muito tempo. Antigamente sempre via na TV os programas de culinária, quando a arte de cozinhar era bem diminuta. Me recordo da Ofélia e da Palmirinha, se não me engano, na TV Bandeirantes.
Hoje, praticamente todas as emissoras de televisão, internet e o YouTube, possuem programas do gênero com destacados chefes de cozinha brasileiros e internacionais. Tem até programas infantis divulgando e imprimindo a arte de cozinhar nos petizes e nos adultos também. Aliás, minha neta Laura, com 5 anos de idade, tem no YouTube uma receita de cupcake, onde ela mesma é a protagonista. Se você quiser conferir, vai lá e procura por Laura Moreira Malucelli. Vai gostar! Palavra de avô!

Acho que a culinária é infinita, criativa, interessante e estimulante. Existem escolas e cursos para o aprendizado e aprimoramento da técnica e trejeitos da arte, desde a escolha dos alimentos até o prato pronto e decorado.
Pois bem… resolvi fazer um curso para satisfazer a minha curiosidade e mexer com as panelas, já que tenho de sobra muito apetite e o prazer da boa gastronomia.
Na primeira aula, princípios de higiene com as mãos, alimentos, roupas, etc. Depois lavar, enxugar os pratos, panelas e afins, guardando tudo no seu devido lugar.

Entre uma aula e outra, foi inevitável me esbarrar com a professora. Por algumas vezes cheguei até a pedir desculpas. Não obstante, os esbarramentos foram se acentuando e o medo do assédio também. Até achei que a comida ficava mais saborosa. E ficava mesmo. Na sequência, olhar quatro queijos, sorriso à parmegiana, conversa com curry e gengibre, o feijão e o arroz nosso de cada dia, olhar caramelado e conversas flambadas…
Para variar meus neurônios de chifres e tridentes me cutucavam. Acho que queriam ver meus espermatozoides gratinados. São infernais mesmo.

Comecei a gostar mais das aulas e até pedi aulas extras para melhorar a performance a que me propus.
Claro que não deu outra. A aproximação ficou mais intensa com a professora do que com as panelas. Do fogão para a mesa e da mesa para a cama!
Fico imensamente agradecido a Sonia, minha mulher, que se revelou uma grande professora!

Crônicas recomendadas: Tem rodízio? ; Receita de miojo
Curta, compartilhe e siga-me no Facebook
Curta a página da editora Mérula

Previous ArticleNext Article